Obras de Picasso e de Gauguin serão leiloadas na Sotheby's

Antes do leilão, obras vão ficar expostas nas casas de leilões de Londres e Nova York

Efe,

07 Outubro 2007 | 10h43

A casa de leilões Sotheby's vai leiloar, no dia 7 de novembro, o quadro Te Poipoi, de Paul Gauguin, que deve atingir um preço estimado entre US$ 40 milhões e US$ 60 milhões (entre R$ 72 milhões e R$ 108 milhões). A casa britânica leiloará o quadro, considerado uma obra prima, que foi adquirido pelo colecionador de arte multimilionário Charles Payson em 1945. A tela retrata dois jovens taitianos em uma manhã de setembro ou outubro de 1892, data na qual se acredita que Gauguin a pintou.   A casa decidiu expor o quadro em Londres e Nova York para só depois leiloá-lo. O vice-presidente executivo da Sotheby's, David Norman, disse que a tela representa uma "saída da tradição ocidental para o exotismo taitiano".   A Sothebys também leiloará duas obras de Pablo Picasso: a escultura Tête de femme (Dora Maar) e o quadro La Lampe. A escultura deve ser vendida por um preço entre US$ 20 e 30 milhões (entre R$ 36 mi e R$ 54 mi), e a tela deve ficar entre US$ 25 milhões e US$ 35 milhões (de R$ 45 mi a R$ 63 mi).   As duas obras ficarão expostas na Sotheby's de Londres - entre 7 e 12 de outubro - e na de Nova York - de 2 a 7 de novembro.   O vice-presidente de leilão de obras impressionistas e de arte moderna da Sotheby's, Emmanuel Di Donna, disse que cada uma das obras é "excepcional individualmente", e que "a presença de todas juntas só faz aumentar seu valor". Marie-Thérèse Walter e Dora Maar inspiraram essas e outras obras de Picasso.   Donna também disse que as obras marcam a transição do surrealismo e do início da década de 1930 até os anos da guerra. Segundo ele, as duas obras juntas ajudam a conhecer a evolução pós-cubista de Picasso.   Tête de femme (1941) é uma escultura em bronze de Dora Maar, enquanto La Lampe (1931) mostra Marie-Thérèse Walter, uma ex-amante de Picasso na época.   Esse quadro de Picasso é considerado uma das maiores obras do pintor, e uma das mais importantes da década de 1930, e estava em poder da família de Picasso. "As cores vibrantes são uma ode ao classicismo", afirmou Donna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.