Divulgação
Divulgação

Obras de arte do Lehman Brothers serão leiloadas

Ao completar dois anos de falência este mês, o Lehman Brothers, que foi um dos maiores bancos de investimento do mundo, se destaca em outro mercado, o de arte, no qual parece ter tido mais faro do que para as subprimes que o quebraram. Para pagar parte da dívida da instituição com credores, perto de 900 obras de arte e outros objetos que decoraram os escritórios nos Estados Unidos e na Europa vão à venda em três casas de leilões.

AE, Agência Estado

21 de setembro de 2010 | 09h33

No dia 25, a Sotheby's de Nova York leiloa 147 lotes com cerca de 400 peças da coleção de obras do pós-guerra e contemporâneas que o Lehman possuía nos EUA, avaliadas entre US$ 10 milhões e US$ 13 milhões. No dia 29, a Christie''s de Londres oferece 300 lotes com itens vindos das instalações do banco na Europa. Ali há desde pinturas de Lucian Freud e Gary Hume, coleções de gravuras, caixas, tinteiros e livros antigos, a pequenos objetos como a placa que celebrou a inauguração da sede europeia do banco em 2004, pelo então ministro das Finanças da Inglaterra Tony Brown.

A estimativa é de se levantar com eles no mínimo dois milhões de libras (cerca de US$ 3 milhões). Outro leilão de arte contemporânea do Lehman vai ser feito em 7 de novembro pela Freeman's, em Filadélfia (EUA), que espera captar entre US$ 250 mil e US$ 300 mil. Entre as peças que serão leiloadas, a arte contemporânea brasileira está representada por trabalhos de Sebastião Salgado, Vik Muniz e Valeska Soares. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
artesleilãoLehman Brothers

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.