Obra é furtada da Bienal de São Paulo

Sumiço da aquarela 'homes (homenols)', de Daniel Steegmann Mangrané, foi percebido no dia 27 de setembro

Paula Carvalho - Estadão.com.br,

09 Outubro 2012 | 21h30

A aquarela homes (homenols) (2004), do artista espanhol Daniel Steegmann Mangrané foi furtada da Bienal de São Paulo. De acordo com a nota oficial divulgada nesta terça-feira, 9, pela organização do evento, o furto da obra foi percebido no dia 27 de setembro e "imediatamente comunicado ao artista e à seguradora". A pintura, uma aquarela em papel de dimensões 15,5 X 21,5 cm, era exibida na série Lichtzwang, junto a outros 221 trabalhos.

As obras de Mangrané foram instaladas na Bienal apenas com fita adesiva e sem molduras, por exigência sua. Após o roubo, o artista aceitou que fossem instalados vidros de proteção nos trabalhos. A segurança ao espaço reservado à Lichtzwang também foi reforçada, de acordo com a Bienal.

Mangrané nasceu em Barcelona em 1977 e vive no Brasil desde 2004. Suas obras já foram expostas em Berlim, Teerã e no Chile, além de Brasil e Espanha.

A 30ª edição da Bienal de São Paulo foi inagurada no dia 7 de setembro e reúne 1900 trabalhos feitos por 111 artistas. O curador venezuelano Luis Pérez-Oramas investiu na divulgação de artistas pouco conhecidos do público: cerca de 75% deles nunca tiveram suas obras exibidas. Orçada em R$ 22,4 milhões, a mostra tem recursos públicos e privados. Só no primeiro final de semana, 23 mil pessoas visitaram o Pavilhão do Ibirapuera. A exposição seguirá até o dia 9 de dezembro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.