Obra de Roldão Arruda pode ganhar o cinema

O livro-reportagem Dias de Ira, de Roldão Arruda, pode chegar às telas do cinema depois de receber elogios de Caetano Veloso e do cineasta espanhol Pedro Almodóvar. A produtora cinematográfica Rio Vermelho, por intermédio de Paula Lavigne, negocia a compra dos direitos da obra publicada pela Editora Globo, que reconstitui uma série de assassinatos brutais de homossexuais masculinos na cidade de São Paulo, entre 1986 e 1989.O primeiro contato de Lavigne com o autor foi em janeiro, depois dela receber das mãos do diretor Mauro Lima o livro que ele tinha comprado quase por acaso em uma ponte-área Rio-São Paulo. "Eu relutei aceitar, porque achava que o livro não se adaptava a um longa. Achava que seria melhor produzir algum documentário para a tevê. Mas na semana passada a Paula me convidou para comer uma pizza e levou a tiracolo o diretor Mauro Lima - que apresentou uma proposta de roteiro. Eu gostei de ouvi-lo", conta Arruda, que agora negocia o preço da venda dos direitos.A obra rodou em mãos de nomes como o poeta e letrista Antônio Cícero, Caetano Veloso e Almodóvar, que incentivaram Paula a investir na produção. Os dois últimos, inclusive, colaboraram em dar dicas ao futuro roteiro.Fruto de exaustivo trabalho de investigação, o livro que desvenda a vida de vítimas e agressores de crimes costumeiramente negligenciados pelas investigações policiais, também foi escolhido pela Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo como a melhor obra literária de 2001 no gênero direitos dos homossexuais. O prêmio será entregue em uma solenidade que antecederá a parada de 2 de junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.