Obra de Pushkin inédita no Brasil terá duas versões

A obra-prima russa Eugênio Oneguin, de Alexandr Pushkin, nunca tinha sido vertida ao português. A primeira tradução sai em breve pela Record e tomou mais de uma década do embaixador Dário Moreira de Castro Alves, tão trabalhosa era a empreitada - tem 5.523 linhas o romance em versos escrito de 1823 a 1831. A curiosidade é que Alves não foi o único a se debruçar sobre a obra tanto tempo depois. Há seis anos, o tradutor Alípio Correia Neto e a professora Elena Vássina dedicam-se à tarefa sob consultoria de Boris Schnaiderman. Ainda sem editora, a dupla levará mais de um ano até terminar. "Não é problema. Em tradução, quanto mais pontos de vista melhor", diz Neto. Veja a primeira estrofe do capítulo 1 nas duas versões.

Raquel Cozer e Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

TRADUÇÃO

Estrangeiros na Amazon

A Amazon anunciou o AmazonCrossing, com o qual publicará títulos estrangeiros em inglês. O selo vai comprar direitos, traduzir e vender livros e e-books, pelo site e para livrarias. The King of Kahel, do francês Tierno Monénembo, sai em novembro. É mercado pequeno: pesquisa de 2007 revelou que 50% dos livros são traduzidos do inglês, e só 3% fazem o caminho inverso.

INSCRIÇÕES

Conveniados em Frankfurt

Dos 22 expositores brasileiros já inscritos para a Feira de Frankfurt, 20 são conveniados do Brazilian Publishers, projeto da CBL e da Apex para capacitar editores a vender direitos no exterior, e não só comprar. As inscrições vão até 16/6, mas já há mais conveniados entre os inscritos que nos últimos anos. Em 2008, dos 39 expositores, 16 foram via CBL/Apex. Em 2009, de 49, foram 32.

BEST-SELLER

Minha outra editora

No site do best-seller Ken Follet, a Rocco, que editou dez de seus títulos, aparece como "minha editora no Brasil". Será preciso adicionar outra: a Sextante adquiriu os direitos da nova trilogia do inglês. O primeiro livro, Queda dos Gigantes, sai em setembro.

SUSPENSE

História policial nos Jardins

O ator e dramaturgo Marcos Cesana, que morreu na terça em decorrência de acidente vascular cerebral, estava perto de fechar com a Rocco a publicação do policial O Monstro da Rua Oscar Freire. O livro foi escrito desde, pelo menos, 2006. Jô Soares, que à época dirigia Cesana na peça Ricardo III, foi um dos poucos que o leram.

BIBLIOTECA

Dois séculos depois

A Biblioteca de Nova York recebeu nesta semana um livro que George Washington pegou emprestado em 1789. The Law of Nations, de Emer de Vattel, foi devolvido pelos herdeiros do ex-presidente dos EUA após a biblioteca notar a ausência. Ninguém cobrou, mas a multa seria de US$ 300 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.