OBITUÁRIO-Dorival Caymmi, precursor da bossa-nova, morre aos 94

O cantor e compositor baiano DorivalCaymmi, autor de clássicos da música brasileira e considerado oavô da bossa-nova, morreu neste sábado em sua casa no Rio deJaneiro, aos 94 anos, por insuficiência múltipla dos órgãos. Caymmi, que compôs, entre outras, "O que que a baianatem?", "Doralice" e "Modinha para Gabriela", nasceu em abril de1914, em Salvador. Foram mais de 60 anos de carreira, 20 discoslançados e inúmeras músicas gravadas por grandes intérpretes daMPB. Filho de um músico amador e de uma doméstica que cantava emcasa, Caymmi frequentava o côro da igreja e aprendeu a tocarviolão sozinho. Sua estréia profissional aconteceu na RádioClube da Bahia e, aos 22 anos, ganhou um concurso de músicas deCarnaval, com o samba "A Bahia também dá". Ao se mudar para o Rio de Janeiro, em 1938, Caymmi viu suacarreira deslanchar, principalmente após ter Carmen Mirandainterpretando sua canção "O que que a baiana tem?", vendida aum estúdio para o filme "Banana da Terra", estrelado pelacantora, a mais popular da época e prestes a fazer sucessoestrondoso nos Estados Unidos. Foi a partir desta canção que Carmen Miranda criou ofigurino de baiana estilizada que a consagrariainternacionalmente, com o turbante de frutas e os balagandãs. PINTURA E BOSSA-NOVA Nos anos 1940, Caymmi dedica-se à pintura e ao desenho,explorando cenários baianos, como pescadores e comunidadesbeira-mar. Foi também nesta fase que compôs as chamadas"canções praieiras", que levaram para o resto do Brasil oestilo de vida baiano e tradições populares, como "Samba daMinha Terra" e "A Jangada Voltou Só". "Minha música sempre foi figurativa. Vejo a música como umquadro, uma composição geral em que o fator humano épreponderante", disse o compositor. Caymmi é considerado um predecessor da bossa-nova,alterando o acompanhamento do violão, um marco histórico do usodo instrumento entre os brasileiros. Foi referência para JoãoGilberto e Tom Jobim, pais do movimento, nos anos 1950. Baiano de Juazeiro, Gilberto gravou diversas composições docolega, como "Rosa Morena", "Saudade da Bahia" e "Samba daMinha Terra". Com Jobim, fez o famoso disco "Caymmi VisitaTom", de 1964. "O grande esforço de modernização de João se apoiou namodernização sem esforço de Caymmi", diz Caetano Veloso nolivro Verdade Tropical. Sua carreira internacional ganhou mais força em 1965, ao ira Los Angeles para uma série de shows e gravação de um LP. Avalsa "Das Rosas" é traduzida para o inglês pelo cantor AndyWilliams. Dick Farney também já havia gravado outra, "Marina",em 1947. CANDOMBLÉ, PARCERIAS E HOMENAGENS Ao voltar para a Bahia, estreita lanços com o candomblé,tornando-se obá de um terreiro em 1968. Gravou "Oração da MãeMenininha", homenagem à Menininha do Gantois nos seus 50 anosde mãe-de-santo. Outra canção ligada ao candomblé foi "SargaçoMar", dedicada à Iemanjá. De Jorge Amado, musicou um hino para a campanha de LuísCarlos Prestes ao Senado, em 1945, e compôs "Modinha paraGabriela", em 1975, baseada no romance "Gabriela, cravo ecanela". A canção foi interpretada por Gal Costa, outrasoteropolitana, que conheceu Caymmi no Rio. A parceria foibastante produtiva, rendendo as canções "Beijos pela noite","Modinha para Teresa Batista", "Retirantes" e "Essa Nega Fulô". A partir dos anos 1980, começou a colecionar homenagens.Aos 74 anos, em Paris, recebeu do ministro da Cultura Jack Langa Comenda das Artes e Letras da França. Em 1986, virou enredoda Estação Primeira de Mangueira, com o qual a escola venceu oCarnaval daquele ano. Casado com a cantora Stella Maris desde 1940, Caymmi deixatrês filhos músicos, Nana, Dori e Danilo. No final dos anos1980 e anos 1990, chegou a fazer shows com seus filhos, como noFestival de Jazz de Montreaux, na Suíça, que acabou virando oálbum "Família Caymmi em Montreaux".

FERNANDA EZABELLA, REUTERS

16 de agosto de 2008 | 18h26

Tudo o que sabemos sobre:
CAYMMIOBTUARIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.