Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O vovô espião

A culpa foi da combinação de duas novidades que deixaram as crianças alvoroçadas: a notícia de que os americanos estavam espionando o Brasil, e o novo aparelho para surdez do vovô. Foi o Henriquinho, chamado de Riquinho na família - e que, sendo o mais velho, era uma espécie de chefe dos netos - quem ligou os dois fatos e concluiu: o que o vovô tinha no ouvido não era aparelho para surdez coisa nenhuma. Era um transmissor e receptor em miniatura. Para irmãos e primos reunidos, o Riquinho anunciou que o vovô estava em contato permanente com os americanos através do aparelhinho. O vovô era um espião.

LUIS FERNANDO VERÍSSIMO,

18 de agosto de 2013 | 02h14

***

O Riquinho, que estava aprendendo inglês, passou a só falar em inglês perto do ouvido do avô.

- Hello. How are you?

O avô ria e respondia:

- I am very well, thank you.

- Eu não estava falando com você, vovô.

- Estava falando com quem?

- Com o Obama.

O avô não entendia, mas ria assim mesmo.

***

Os netos receberam instruções detalhadas do Riquinho sobre como se comportar perto do avô. Não deveriam dizer nada ao alcance do seu aparelhinho no ouvido que pudesse comprometer a segurança nacional. Principalmente, não deveriam tocar em assuntos estratégicos, sob pena de serem considerados traidores da pátria.

Ninguém sabia o que era "estratégico", mas todos concordaram, solenemente. E quando o avô tentou segurar Luana, a menorzinha, no colo, e perguntou "Quem é a belezinha do vovô?" ela esperneou, se libertou a saiu correndo, gritando.

- Não posso dizer!

Como ia saber que aquele não era um assunto estratégico?

***

Os adultos estranharam a mudança no comportamento dos netos com o avô. Nem lhe pediam mais as coisas que costumavam pedir, e o vovô sempre dava. O que estava acontecendo? Finalmente, Riquinho, como porta-voz dos outros, explicou que não aceitavam mais as brincadeiras do avô, nem seus presentes, porque seria como confraternizar com o inimigo.

- Com o inimigo?! Mas por que o vovô é inimigo?

E Riquinho contou sua teoria sobre a função do aparelhinho que o avô tinha no ouvido. Vovô era um espião dos americanos. Se os americanos resolvessem atacar o Brasil, seriam guiados por agentes infiltrados como o vovô. Já dava para desconfiar, com a paixão que o vovô tinha por tudo que era americano. Ele até assinava o Reader's Digest.

- Mas o vovô é surdo. Por isso usa aquele aparelhinho.

- Pode ser um disfarce.

***

No primeiro almoço de domingo depois da revelação do Riquinho, o vovô pediu a palavra. Precisava fazer uma comunicação importante. Consultara o presidente Obama e ouvira dele a promessa de que, caso os drones americanos bombardeassem o Brasil, as casas dos seus familiares seriam poupadas. Ninguém da família precisava se preocupar.

Os netos todos festejaram, e o Riquinho agradeceu o vovô, que disse:

- Não agradeça a mim, agradeça ao presidente Obama.

E ofereceu o ouvido com o aparelhinho para o Riquinho gritar:

- Thank you, mr. Obama!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.