Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

O voo comedido de Celeste Antunes em sua estreia literária

Texto coloca em cena narrativa de uma geração que já nasce multimídia, mas nunca chega a decolar

João Cézar de Castro Rocha - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

05 de novembro de 2013 | 21h34

Despretensão: eis a palavra-chave para entender o romance de estreia de Celeste Antunes. O texto evoca um videoclipe verbal, colocando em cena a narrativa de uma geração que já nasce multimídia. A trama reúne cinco adolescentes da classe média paulistana e não pretende ser mais do que um ágil jogo de palavras, costurando uma sucessão de pequenas aventuras de Lucas, Teo, Sara, Fran e Miguel.

São transgressões que, no fundo, nunca colocam os personagens em risco.

No início do romance, os amigos estão num bar – uma ousadia, sem dúvida. Lucas vai ao banheiro; escuta-se “um barulho de garrafa quebrando lá em cima” e os amigos precisam deixar o bar às pressas. O que terá acontecido?

No entanto, tudo se esclarece rapidamente: “O que o cara do bar fez?”, pergunta Miguel. Algo terrível: “Ele disse que odiou meu cabelo”, responde Lucas. E, claro, reage à altura, demonstrando sua radicalidade: “Cuspi nele”. Depois: sebo nas canelas.

O episódio é uma miniatura do romance e, sobretudo, de seus limites. O texto nunca chega a alçar voo, embora às vezes revele o talento da autora. Para Quando Formos Melhores não compromete, mas não chega a ser uma promessa, pois o texto evidencia uma voz que ainda não se encontrou. Ademais, o narrador acaba por se confundir com os personagens em seu dia a dia de poucos dramas e muita segurança.

Ora, literatura não se escreve com rede de proteção: é preciso arriscar o salto.

JOÃO CÉZAR DE CASTRO ROCHA É PROFESSOR DE LITERATURA COMPARADA DA UERJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.