"O Veneno do Teatro" inaugura palco do Sesi

Sob direção de Hugo Coelho, a peça O Veneno do Teatro estréia hoje no Sesi Vila Leopoldina, inaugurando o palco da unidade. O mote é o seguinte: em Paris, no ano de 1784, um marquês convida um ator para encenar a sua peça, chamada A Morte de Sócrates, inspirada no filósofo grego que morreu envenenado por cicuta. O marquês envenena a bebida do ator e diz que só lhe dará o antídoto caso sua interpretação seja absolutamente visceral. Bartholomeu de Haro faz o papel do marquês e Javert Monteiro o do ator.Assim como no Teatro Popular do Sesi na Avenida Paulista, o Sesi Vila Leopoldina também tem entrada grátis. "A idéia é que essa peça inaugure uma programação constante nesse Sesi, como na Paulista, porém em diferentes proporções, porque o teatro em Vila Leopoldina é menor", diz Javert.E se o público, observando o ator bem de pertinho, achar que ele não merece o antídoto? "Espero que isso não aconteça", diz Javert. "O ator interpreta um trecho, justamente o da morte de Sócrates." O marquês não se satisfaz e ambos discutem. Só depois o público verá novamente o trecho, dessa vez feito pelo ator sob efeito do medo. "São muitas chaves de interpretação. Primeiro faço o ator, depois ele encarnando o personagem numa montagem de época e, finalmente, ele sob o efeito do veneno. O marquês escreveu um drama, mas o espetáculo tem muitos momentos engraçados", garante Javert. O Veneno do Teatro - De Rodolf Sirera. Direção de Hugo Coelho. 60 minutos. 16 anos. No Sesi Vila Leopoldina. Rua Carlos Weber, 835, 3832-1066. Quinta a sábado, 20h30, domingo, 19 horas. Grátis (retirar convites com antecedência). Até 19/12

Agencia Estado,

26 de novembro de 2004 | 14h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.