O tempo em que os fotógrafos eram pintores

"Um filme de Gabriel Figueroa." É muito raro que o nome do fotógrafo se sobreponha ao do diretor, mas muitas vezes era o que acontecia quando o mexicano Figueroa (1907-1997) assumia a direção de fotografia. Tinha uma assinatura visual inimitável. Sua trajetória no cinema é contada nesse belo documentário de Emilio Maillé Miradas Múltiplas - O Universo de Gabriel Figueroa.

LUIZ ZANIN ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2012 | 03h09

Para mostrar como esse estilo se impunha, Maillé usou abundantemente trechos de filmes fotografados por Figueroa. E ouviu alguns dos maiores fotógrafos do mundo, entre eles brasileiros como Lula Carvalho e Walter Carvalho, Lauro Escorel, Affonso Beato e Cesar Charlone. E também monstros sagrados como Raoul Coutard, Vittorio Storaro e Giuseppe Rotunno.

Eles são unânimes em afirmar a força expressiva das imagens conseguidas por Figueroa, que trabalhou muito com seus conterrâneos Roberto Gavaldon e Emilio "Índio" Fernandes, mas também com gênios com Luis Buñuel (O Anjo Exterminador), John Ford (O Fugitivo) e John Huston (À Sombra do Vulcão).

Nota-se no trabalho de Figueroa uma preocupação pictórica muito pensada e consciente. As imagens falam "por si", e não servem de muletas aos diálogos, como acontece. Figueroa tinha consciência da escultura do rosto dos personagens. Por exemplo, fotografou como ninguém o belo e dramático rosto da atriz Maria Félix. Tratava o quadro cinematográfico como um tableau, que precisa expressão e volume para existir. Por isso, ficaram famosas as "nuvens de Figueroa". Gostava dos céus carregados porque são as nuvens que dão volume à imagem. Trabalhava com luz e com sombras e fez do preto e branco seu registro favorito, embora tenha deixado muitos e belos filmes em cores.

Figueroa, que esteve na Mostra em 1995 e deu entrevista ao Estado, era expressão top de uma época em que o cinema, mesmo o mais popular, cultivava o apuro visual. Depois veio a era dos blockbusters e tudo virou um pudim, com as exceções de praxe. Figueroa fica como ícone de um tempo em que fotógrafos eram também pintores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.