Divulgação
Divulgação

O sonho de Gatsby, no olhar de Luhrmann

O mestre do artifício usa o 3D para atingir o intimismo de Fitzgerald

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2013 | 02h09

Em Cannes, na coletiva após a exibição do filme de abertura - O Grande Gatsby - para a imprensa, o diretor Baz Luhrmann disse que o astro Leonardo DiCaprio passou boa parte do filme lhe perguntando, com alguma ansiedade - "Estamos honrando o livro?". O livro em questão é o clássico de F. Scott Fitzgerald sobre a obsessão de um certo Jay Gatsby por reencontrar e seduzir a mulher que amou na juventude, e que virou o farol a guiá-lo na travessia das dificuldades da vida. Mais que uma personagem, Daisy Buchanan é um ideal, um sonho do homem. E, por isso, nem chega a ser curioso que, em todas as adaptações do romance - a de Luhrmann é a quarta -, 'Jay' tenha sido sempre interpretado por um astro, um galã, e Daisy por uma atriz insossa, sem grande brilho pessoal.

O Gatsby de Luhrmann, no filme que estreia hoje, é DiCaprio e sua Daisy, Carey Mulligan, talentosa, por certo, mas não dotada de magnetismo. Daisy existe pelo olhar de Gatsby. Luhrmann lembrou, em Cannes, que Fitzgerald colocou o ponto final de seu romance enquanto Zelda, seu grande amor, o traía na praia com um amante de ocasião, não muito distante do local onde hoje se localiza o palais do Festival de Cannes. Estava escrito: "Este filme tinha de estar na Côte d'Azur", vaticinou o diretor.

Críticos sempre lamentaram que um livro tão grande - um romance emblemático - tivesse resultado em filmes tão anêmicos, para não dizer medíocres. Mas os Gatsbys da tela foram gloriosos - Alan Ladd, na versão de 1949; Robert Redford, na de Jack Clayton, de 1974, que acaba de sair em Blu-Ray no País; e agora DiCaprio. Já as Daisys, ou melhor, Daisies... Betty Field, Mia Farrow e agora Carey Mulligan, nenhuma é marcante no papel e talvez seja esse o segredo, uma atriz opaca para criar uma figura que só é incandescente no imaginário do herói.

O australiano Baz Luhrmann é um diretor que costuma dividir os críticos. Não são muitos os que reconhecem a excelência de sua trilogia da cortina vermelha, formada por Vem Dançar Comigo, Romeu + Julieta (já com DiCaprio) e o melhor de todos, Moulin Rouge, embora seja justamente o musical com Nicole Kidman o objeto de todas as divergências. Luhrmann cultiva um cinema do artifício, aqui realçado pelo 3D. A primeira parte de Gatsby chega a ser excessiva - fogos, plumas, paetês saltam da tela. Mas ela é só preparação para a segunda, dura como aço, e crítica, quando as coisas realmente acontecem.

Pode-se viajar na imaginação. No fim da vida, Luchino Visconti tinha dois projetos que não conseguiu concretizar. Uma adaptação de Em Busca do Tempo Perdido, e o Marcel Proust de Visconti, privilegiando o volume Sodoma e Gomorra, teria 'um perfume de Balzac', segundo o grande diretor, e uma ficcionalização da tumultuada relação de Fitzgerald com a mulher, Zelda, projeto para o qual o cineasta tinha o elenco que considerava perfeito - Warren Beatty e Julie Christie, que viviam juntos, na época. O tempo perdido nunca foi reencontrado porque a concorrência de Joseph Losey, que tinha um projeto similar, inviabilizou o de Visconti. Scott e Zelda tombou como outros filmes - custos, datas e a doença que deixou o diretor inválido.

Zelda, com sua loucura - terminou internada -, acirrou os fantasmas autodestrutivos do marido, mas é possível que, sem ela, Fitzgerald não tivesse se transformado no grande escritor que foi. Belos e malditos - Visconti queria contar essa história. Baz Luhrmann a conta um pouco através de Gatsby e Daisy Buchanan, embora exista um autor dentro do filme (Toby Maguire), como do livro, que funciona, duplamente, como alter ego do escritor (e do cineasta). Essa associação de Luhrmann, o mestre do artifício, com Visconti, o realista antropomórfico de Rocco e Seus Irmãos não é descabida porque Ewan McGregor, o Nature Boy de Moulin Rouge, era inspirado em Rocco e a morte de Satine (Nicole) chegava a repetir o diálogo de Renato Salvatori e Annie Girardot na obra-prima de Visconti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.