O romantismo vai para o divã

SÓ LOVE Amor é o centro de Afinal, o que Querem as Mulheres?

/ PATRÍCIA VILLALBA, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2011 | 03h10

Com uma dúvida notoriamente nunca resolvida como tema e sem a pretensão de trazer nenhuma resposta precisa, a série Afinal, o que querem as mulheres? (Globo Marcas, R$ 65,90)foi destaque na TV no ano passado e, como tudo o que Luiz Fernando Carvalho vem dirigindo nos últimos anos, é produção para ficar na memória. E rever, agora que seus capítulos saem numa caixa de dois DVDs, acompanhados por um CD com a trilha sonora composta por dois músicos que, de tão diferentes, ninguém pensaria juntar - Tim Rescala e Marcelo Camelo.

Aventura no humor, a série chega bem próximo da comédia romântica e usa os clichês da teledramaturgia para falar com delicadeza e poesia do amor e das dificuldades de se relacionar - principalmente para os homens que se veem diante de mulheres atraentes, libertas, malucas, apaixonantes.

Com ironia fina, o enredo cheio de simbolismos é apresentado pela perspectiva do protagonista André Newmann (Michel Melamed), um estudante de Psicologia que, mesmo com pouco talento para manter a mulher que ama ao seu lado, escreve uma tese de doutorado que responde de maneira certeira e inédita à pergunta de Freud sobre as inquietações femininas.

Piada sutil, a obra de Newmann não é revelada ao público. Afinal, as mulheres querem muitas coisas, várias ao mesmo tempo. E aí está um resumo do mérito do diretor: estampar na tela um universo feminino caótico, colorido, quente e inexplicável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.