O QUE RESTA DOAMOR

The Grandmaster, de Wong Kar-wai, presidente do júri, abre a Berlinale

LUIZ CARLOS MERTEN, ENVIADO ESPECIAL / BERLIM, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2013 | 02h08

Começou bem. A marca de cosméticos L'Oreal é uma das patrocinadoras da Berlinale. Para marcar sua participação, criou uma bolsa com os dizeres - Films love beauty. Os filmes amam a beleza. A melhor forma de provar isso foi o próprio longa de abertura deste ano - The Grandmaster, O Mestre, de Wong Kar-wai, com Tony Leung e Zhang Ziyi. Ele é um tipo viril, ela é de uma beleza de cortar o fôlego. Existem cenas com os dois que o espectador gostaria que durassem uma eternidade, só para ficar olhando. Films love beauty, realmente.

Dá para ouvir o cinéfilo radical se perguntando, aquele que reza pela cartilha do cinema de arte, seja lá o que signifique - o que um filme sobre Ip Man, o mentor de Bruce Lee, faz na abertura de um festival político como Berlim? Um filme de artes marciais - bem, se tem arte no gênero, alguma coisa isso já deverá querer dizer. Existem possibilidades de resposta - Wong Kar-wai é o presidente do júri e exibir seu novo filme na abertura, fora de concurso, como homenagem, é um ganho para todos. Para o festival e para o filme e o diretor, que se beneficiam sem riscos da vitrine da Berlinale. A pergunta de verdade é outra - o que a vida de Ip Man tinha de tão atraente para interessar a um romântico de carteirinha como Kar-wai?

É simples - O Mestre é sobre tudo. Sobre artes marciais e romance, um filme sobre a história da China que se confunde com os destinos individuais. Os personagens muitas vezes falam por metáforas. Zhang Ziyi e Tony Leung estão falando de ópera e falam de amor (sobre eles). Discutem movimentos das artes marciais e estão discutindo a vida. Wong Kar-wai fez uma outra versão de Ashes of Time, Cinzas do Tempo. O filme anterior era sobre outra modalidade de ação - espadachins. Como François Truffaut, um romântico que desconfiava do romantismo, Kar-wai se interroga sobre o que resta de nossos amores.

Três momentos são exemplares - Tony Leung organiza a mulher e os filhos para um retrato da família que será destruída. Não vai restar senão aquele flagrante roubado ao tempo. Numa luta, Zhang Ziyi voa sobre ele e os rostos ficam tão próximos que os lábios quase se tocam. Ele vai ser o grande amor da vida dela e nunca passarão disso, até porque são éticos. Aprendem que o lutador deve viver e morrer com honra. Um homem e uma mulher podem sacrificar a vida, o amor. Mas não a honra - e o vilão, que o faz, unindo-se aos japoneses durante a ocupação da China só vai merecer o desprezo. A terceira cena é uma luta que parece interminável, quando Zhang enfrenta seu desafeto na estação ferroviária, para recuperar a honra da família. Dura o tempo que o trem está saindo. O que é o tempo senão uma experiência subjetiva?

Wong Kar-wai fez um filme plástico e suntuoso, mas quando não é assim? Cheio de ensinamentos de arte e vida - e usando códigos do cinema de gêneros. Uma cena, a despedida dos amantes que não chegam a ser, evoca uma ópera de Sergio Leone, mas se você nunca viu Era Uma Vez na America, não faz mal. Se viu, vai identificar os primeiros planos, o campo/contracampo e a partitura que expressa o que os olhos secretam e as palavras não dizem. Wong Kar-wai está satisfeito com o resultado? Aparentemente, sim, mas convém não se esquecer de que ele só deu Cinzas do Tempo por acabado quase uma década e meia após a estreia. O filme ficou o tempo todo martelando na sua cabeça. Kar-wai é obcecado pelo tempo. Adora desconstruir/reconstruir seus filmes na montagem.

The Grandmaster será distribuído no Brasil pela Califórnia, provavelmente com outro título que não O Mestre, para fugir à comparação com a obra homônima de Paul Thomas Anderson, atualmente em cartaz. É um Kar-wai menor? Em relação a Amor à Flor da Pele e Felizes Juntos, sim, mas com elementos de sobra para provocar prazer estético e emoção genuína.

O festival recém começou. Até o dia 16, à noite, quando ocorrerá a premiação, a Berlinale vai exibir filmes de novos diretores e autores consagrados. O cinema é uma grande família, gosta de dizer o diretor artístico Dieter Kosslick e muitos filmes aqui exibidos estarão tratando justamente de famílias - unidas, desunidas, partidas. Que outro melhor lugar para falar disso que em Berlim, que, durante anos, quase três décadas, foi dividida por um muro? O festival está começando. Longa vida à Berlinale.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.