O que fazer com seis armas em casa

Seguindo o decreto presidencial, uma para cada cômodo da casa para não ter surpresas

Gilberto Amendola, O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2021 | 03h00

Eis que o Presidente da República editou um decreto que amplia de quatro para seis o número máximo de armas que cada cidadão pode possuir. Ora pois, como esse espaço tem a pretensão de prestar um serviço à nação, trago aqui dicas para o cidadão de bem guardar suas seis armas dentro de casa (assim como sugestões para a utilização das mesmas).

Na sala. Na parede, entre um quadro com a palavra 'gratidão' e um relógio cuco.

Embaixo do crucifixo. Ou na mesa de centro, ao lado do controle remoto da televisão. Assim, a confusão entre o desejo de mudar de canal e um tiro na telinha podem provocar boas risadas em família. Assim como o controle remoto da TV, a arma da sala pode ser largada no sofá. É diversão garantida se a vovó sentar em cima do trabuco e um som parecido com peido for produzido.

Na cozinha. Dentro do microondas - principalmente se for fazer pipocas. 

Ou na pia, perto dos pratos sujos do almoço.

Melhor que palha de aço. 

Sugiro ainda utilizá-la como filtro de café ou colher. Se o propósito é amaciar um bife, ela vai bem. 

Acender o fogão com praticidade.

E ensinar para as crianças a importância de comer vegetais (para fazer 'aviãozinho' e alimentar os bebês também). 

No quarto (casal). Debaixo do travesseiro, para aprender uma língua estrangeira enquanto dorme. Debaixo do travesseiro, para sonhar com os números da mega-sena. Debaixo do travesseiro, para receber a visita da fada dos dentes. Debaixo do travesseiro, para evitar incontinência urinária. Debaixo do travesseiro, para despertar antes das seis da manhã. Debaixo do travesseiro, para não roncar. Debaixo do travesseiro, para, talvez, não acordar.

Em cima do criado mudo, para que ele não dê um pio. 

Na gaveta das cuecas. Dentro das meias. Embaixo da cama, na companhia dos monstros e fantasmas. Os esqueletos, como todos sabem, estão no armário.

No quarto (das crianças). Seja criativo, use como mobile. 

Misturada aos brinquedos.

Ou como babá eletrônica.

Dentro das fraldas 

No lugar dos livros (crianças não sabem ler mesmo). 

Embaixo da cama, junto com o bicho papão.

No banheiro. Como saboneteira.

Ou melhor, como escova de dentes. Eficiência total contra cáries e o tártaro. 

Para desentupir o vaso sanitário. Para dar descarga sem usar as mãos. 

Como toalha, para enxugar as costas. Para passar desodorante. Para cortar as unhas do pé. Para fazer a barba.

Ao lado do potinho dos remédios. 

Área de serviço. Como pregador. Ou varal. Ao lado do tanque. No cantinho das vassouras. Dentro da caixa de sabão em pó ou do amaciante. No cesto de roupas sujas.

Dentro da máquina de lavar. 

Sim, dentro da máquina de lavar. Uma arma dentro de uma máquina de lavar pode produzir um barulho tão grande que é capaz do cidadão de bem não ouvir ou entender qualquer ironia.

* Gilberto Amendola é repórter do Estadão e observador da vida urbana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.