´O que eu faço não é trabalho, é brincadeira de criança´, dizia Carequinha

A saúde do velho palhaço já andava comprometida. George Savalla Gomes, de 90 anos, havia sido internado em janeiro deste ano na Santa Casa de Misericórdia, de Juiz de Fora, Minas Gerais, com problemas urológicos. Em outubro de 2005, ficou quase um mês internado no Rio de Janeiro para tratar de uma pneumonia e de desidratação. Apesar dos problemas de saúde, Carequinha continuava na ativa. Longe dos circos, fazia animação de festas infantis e nunca perdia o bom humor. ?Estou voltando para casa. Já moro perto do cemitério, quando eu morrer, vou a pé", disse ao sair da clínica onde ficou internado no Rio de Janeiro, em 2005. ?O que eu faço não é trabalho, é brincadeira de criança. Acabo de gravar outro CD, está vendendo, vamos ver se eu recebo alguma coisa. Não vou para a TV, vou fazer shows, a TV acaba com tudo.? Em 2005, o palhaço chegou até a participar da segunda temporada da microssérie Hoje É Dia de Maria, na TV Globo.Carequinha, apelido que ganhou aos 5 anos do padrasto, nasceu no dia 18 de julho de 1915 em Rio Bonito, no Rio, em pleno picadeiro. Sua mãe, Elisa Savalla, era trapezista do Circo Peruano e sentiu as primeiras dores do parto em uma apresentação. Após o nascimento do futuro palhaço, que é cidadão honorário em dez Estados e diversas cidades, os artistas bateram palmas, como manda a tradição circense.No início da década de 80, Carequinha tinha um programa na extinta Rede Manchete, quando foi substituído por Xuxa.Em menos de um ano, o Brasil também já perdeu Waldemar Seyssel, o palhaço Arrelia, que morreu aos 99 anos, em 23 de maio de 2005.

Agencia Estado,

05 de abril de 2006 | 09h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.