Imagem Ignácio de Loyola Brandão
Colunista
Ignácio de Loyola Brandão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O que é milagre brasileiro

É ninguém tentar furar a fila, invocar prioridades inexistentes, aplicando a lei do mais esperto

Ignácio de Loyola Brandão, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 02h00

Sempre procuro me sentar ao lado de José de Souza Martins na Academia Paulista de Letras. Porque é um grande conversador, um daqueles que você ouve longamente e até esquece o café, o suco e os pastéis. No último encontro do ano, no almoço que durou horas no restaurante La Casserole, de Marie France, me esgueirei e consegui ficar ao lado do amigo, autor de O Coração da Pauliceia Ainda Bate, um de meus livros de cabeceira, que me ensina a escrever crônicas e me encanta com histórias desta cidade. À certa altura, Martins virou-se para mim: “Sabe o que é o milagre brasileiro?”. E emendou: “Tomar o café da manhã”.

Peguei a deixa, retruquei: “O milagre brasileiro é ter o café, o leite e o pão”.

E ele: “Também milagre é levantar-se de manhã, disposto, sem uma doença, uma dor, um mal-estar, um estresse, uma preocupação”.

Neste momento, Jorge Caldeira chamou Martins, mas continuei sozinho, elucubrando (perdoem-me por tal palavra).

"Milagre é pegar o ônibus de manhã."

"Milagre é o ônibus passar e, se passar, não chegar superlotado."

"Milagre é um jovem no metrô estar sentado no banco de gestante e idoso e levantar-se assim que uma grávida entre."

"Milagre brasileiro é um homem conseguir ficar junto a uma mulher sem encoxá-la, assediá-la."

"Milagre é a pessoa chegar ao trabalho, sentar-se e cumprir sua jornada, sem ter sido demitida logo de manhã."

"Milagre é você não ser demitido no final do expediente de sexta-feira, na véspera do feriado, no dia em que sai de férias."

"É também receber seu salário."

"Aliás, milagre mesmo é ter emprego."

"É também você passear pelo centro ou pela Avenida Paulista e não ter o celular ou a carteira roubados."

"Milagre é entrar nos Correios e ninguém te oferecer um boleto do Baú da Felicidade.”

"Ou em um banco e o caixa não indagar: não quer fazer um título de capitalização? Preciso fechar uma meta."

"Ou numa lotérica e a atendente entregar seu jogo sem perguntar: Não vai levar o bolão da Mega?”

"Estacionar seu carro e nenhuma pessoa surgir do nada perguntando: posso vigiar? Só 20 paus.”

"Milagre é o caixa do supermercado não indagar: o senhor não quer arredondar os centavos em prol de uma instituição?"

"Milagre é o telefone tocar e não haver do outro lado uma voz do telemarketing oferecendo fibras óticas ou tantos megabytes."

"Andar nas ruas e perceber que desde que o gestor Doria entrou pela primeira vez em 12 meses passou um varredor."

"Milagre é andar pela calçada e completar uma quadra sem tropeçar em um buraco, numa pedra solta, um degrau que não se percebe."

"Milagre é você pisar na faixa e os carros que viram na esquina o deixarem atravessar a rua."

“Milagre é você chegar ao estacionamento e perceber que aquele garoto, com um sorriso, permite que você ocupe a sua vaga de idoso."

“Milagre brasileiro é ninguém tentar furar a fila, invocar prioridades inexistentes, aplicando a lei do mais esperto."

"Milagre é você estar sentado na sua poltrona do avião e nenhum outro passageiro bater com a mochila na sua cara, no seu ombro, no peito. Ou atropelá-lo no corredor, querendo sair na frente."

"Milagre é você estar entrando em algum lugar e a pessoa à frente segurar a porta, em lugar de largá-la em sua cara."

"Milagre é seu vizinho entrar no elevador e dar-lhe bom dia. Ou uma pessoa pedir algo dizendo por favor e depois acrescentar muito obrigado."

"Milagre brasileiro dos maiores seria entrarmos em um apartamento e descobrirmos um monte de malas repletas de dinheiro e um cartãozinho avisando: Com o amor de sua mãezinha. Gaste com moderação."

Bom ano para vocês todos. Se for realmente bom será um imenso milagre brasileiro, como jamais se viu em 517 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.