Arek Socha/Pixabay
Arek Socha/Pixabay

O produtor de água

Em MG, há quem receba dinheiro para produzir água em chácaras e fazendas

Marcelo Rubens Paiva, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2021 | 03h00

Sobre a crise climática, o cientista brasileiro Paulo Artaxo costuma dizer: “Não existe plano B”. O desastre está instalado entre nós. Não é legado para filhos e netos, é parte da nossa rotina atual: falta de ar, água, luz e vergonha na cara. 

O Estado de São Paulo sente com o avanço da fronteira agrícola no Norte. Agronegócio é pop e problema. Traz tempestades de poeira apocalípticas, crise hídrica, falta de chuvas e até nuvem negra no ano passado; no céu da antiga terra da garoa, fuligens de queimadas do Pantanal.

No país em que 60% da energia vem de hidrelétricas, uma profissão em alta hoje é a do produtor de água. Em MG, recebem dinheiro para produzi-la em chácaras e fazendas. Na Zona da Mata, produtores rurais ganham ajuda e participam de programas de municípios com a Agência Nacional de Águas. 

Segundo o Globo Rural, mais de mil estão cadastrados em todo o País e recebem para produzir água. Plantam árvores, cercam nascentes, fazem barragens e preservam matas. Assim, realimentam o lençol freático. 

A empresa mista Furnas Centrais Elétricas entrou no programa. Financia fazendeiros e pequenos produtores ao redor do chamado “mar de Minas”, o Lago da Represa de Furnas, para reflorestarem parte de suas terras. 

A iniciativa trabalha diretamente com as escolas; alunos aprendem a plantar árvores frutíferas. Proprietários de fazendas centenárias de cana, como a Fazenda da Ilha, e café são incentivados a criar corredores de matas. 

A iniciativa que começou em 2001 na Fazenda Bulcão, de Sebastião Salgado, e recuperou 608 hectares de Mata Atlântica em MG, não é mais exceção. Em 2008, em Extrema, sul de MG, um trabalho de recuperação das encostas ganhou prêmio da ONU de conservação de água. Agricultores recebiam da prefeitura para que capoeiras e pastos fossem trocados por mudas de árvores em cabeceiras de rios e riachos. 

Mudas de jacarandá, acácia, araucária, copaíba, pau-brasil, mirindiba, jambolão, pinheiro e goiabeira plantadas em áreas restauradas viraram floresta, aumentando o volume de água. Recuperam grotas. Nascentes reaparecem onde antes era pasto.

Se a soja sobe para o norte do País, a iniciativa de se produzir água se ampliou no sudeste. Foi para o Triângulo Mineiro. Com curva de nível em plantações, a água se infiltra no solo. Em Uberaba, ao conectar bolsões com canos de PVC, plantações viram fábricas de água. 

O lençol fica abastecido durante a seca. A ideia nasceu do uso de gesso agrícola descartado para recuperar áreas desgastadas. O Plano B? Virarmos fósseis. 

ESCRITOR E DRAMATURGO, AUTOR DE ‘FELIZ ANO VELHO’

 

Tudo o que sabemos sobre:
águameio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.