O primeiro Oscar de Spielberg

Dois Cachorrinhos Milagrosos

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2012 | 03h09

16H15 NA GLOBO

(Miracle Dogs Too). EUA, 2006. Direção de Richard Gabai, com Janine

Turner, Patrick Muldoon, David Keith, Jaleel White, Jonathon Trent, Alana Austin.

Garoto que acaba de se mudar para nova vizinhança encontra dois cães da raça cocker spaniel. O que ele não sabe é que os animais possuem poderes especiais que vão mudar sua vida - e a das pessoas que o cercam. Fantasia para plateias infantojuvenis. Reprise, colorido, 105 min.

A Hora do Rush 3

22H45 NO SBT

(Rush Hour 3). EUA, 2007. Direção de Brett Ratner, com Jackie Chan, Chris Tucker, Yvan Attal, Tzi Ma.

No terceiro filme da série, embaixador chinês é assassinado em Los Angeles, o que compromete seu segurança, Jackie Chan.

Chris Tucker, rebaixado a guarda de trânsito - desde o final do 2 -, junta-se ao amigo que vai investigar o caso seguindo uma trilha que o leva a Paris. As Tríades, a Máfia chinesa, estão por trás da história, claro. Ação, humor, a maleabilidade física de Chan e os diálogos disparados feito metralhadora de Tucker - embora proporcione mais do mesmo, o filme funciona e só decepciona na conclusão, que é um tanto idiota. Reprise, colorido, 90 min.

Um Dia na República Popular da Polônia

0 H DA CULTURA

(Jeden Dizien W Prl). França, Polônia, 2006. Direção de Maciej J. Drygas.

27 de setembro de 1962, um dia como qualquer outro na República Popular da Polônia. Com base em documentos de época, o diretor Drygas recria a rotina sob o comunismo - expurgos, delações, carência material, etc. O que ele não lembra, talvez por conta da exiguidade de tempo, é que a Polônia possuía, na época, um dos melhores cinemas do mundo - Andrzej Wajda, Jerzy Kawalerowicz, Roman Polanski. Eram críticos, desafiavam a censura do regime e a contextualização propostas pelo documentário da Cultura enriquece seus filmes na lembrança dos cinéfilos. Reprise, preto e branco, 58 min.

TV Paga

A Lista de Schindler

13H55 NO TELECINE CULT

(Schindler's List). EUA, 1993. Direção de Steven Spielberg, com Liam Neeson, Ben Kingsley, Ralph Fiennes,

Caroline Goodall.

Vencedor de sete Oscars, incluindo melhor filme, direção e roteiro adaptado (por Steve Zaillian, do livro de Thomas Kenneally), o filme reconstitui a história de Oskar Schindler. Inicialmente, ele parece um aproveitador que se beneficia do nazismo, mas na verdade é um humanista que consegue salvar a vida de mais de mil judeus poloneses, durante a 2ª Grande Guerra. Para muitos críticos, o filme é a obra-prima de Spielberg, mas há controvérsia. A trilogia informal formada por O Terminal, Guerra dos Mundos e Munique é ainda mais densa (e politizada), mas Schindler tem força, a recriação do campo de concentração é impressionante, o detalhe da menininha colorida é de gênio e a atuação de Ralph Fiennes como nazista sádico é daquelas que assombram o espectador pela vida toda. Spielberg ganhou seu segundo Oscar como diretor de volta à 2ª Guerra, em O Resgate do Soldado Ryan, cinco anos mais tarde. Reprise, preto e branco e colorido, 195 min.

O Guarda-Costas

1H15 NO TCM

(The Bodyguard). EUA, 1992. Direção de Mick Jackson, com Kevin Costner, Whitney Houston, Gary Kemp, Bill Cobbs, Ralph Waite, Thomas Arana, Michele Lamar Richatrds.

Um exemplar perfeito da série 'Bad movies we like', ou seja, filmes ruins do qual é possível gostar (muito). Mistura de gêneros (musical, romance, suspense, etc.), mostra Kevin Costner, na melhor fase de sua carreira, como guarda-costas de uma estrela pop que está sendo ameaçada de morte. O cinéfilo vai gostar que Costner, o personagem, assista na TV a Yojimbo, de Akira Kurosawa - seu filme preferido - e Whitney, que morreu este ano, nunca foi mais bela, além de soltar o vozeirão ao recriar I'll Always Love You, sucesso de Dolly Parton. Por conta de tudo isso, esqueça que o filme é kitsch a mais não poder. Reprise, colorido, 129 min.

As Duas Vidas de Audrey Rose

1H55 NO TELECINE CULT

(Audrey Rose). EUA, 1979. Direção de Robert Wise, com Marsha Mason, John Beck, Anthony Hopkins.

O próprio Frank De Felitta adaptou seu livro sobre casal que leva vida perfeita até que aparece estranho dizendo que a filha deles, de 12 anos, é a reencarnação de garota que morreu. Filme da fase final do diretor Wise, fecha um ciclo porque ele começou como montador, tornou-se diretor de fantasias de terror (com o produtor Val Lewton), aprimorou-se com dramas sociais nos anos 1950 e, nos 60, acomodou-se nos musicais, antes de seguir uma trajetória errática nos últimos anos. Audrey Rose tem cara de filhote de O Exorcista, mas, na verdade, Wise estava reatando com suas origens. Reprise, colorido, 113 min.

Marujos do Amor

3H35 NO TCM

(Anchors Aweigh). EUA, 1945. Direção de George Sidney, com Gene Kelly, Frank Sinatra.

Musical sobre dupla de marujos que passa dia de folga na cidade. Para ver nem que seja pelo número em que Gene Kelly dança com o camundongo Jerry. Reprise, colorido, 139 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.