"O Pensador" está à venda no Brasil

A partir de hoje, o carioca vai ver de perto a escultura O Pensador, de Auguste Rodin, uma das obras fundadoras da arte moderna. A estátua em bronze, com 1, 92 metro de altura, que estará no Museu de Arte Moderna do Rio até 19 de setembro, é uma das 21 cópias autorizadas pelo Museu Rodin, de Paris, e viajará pelo País até o fim do ano, passando pela Pinacoteca do Estado de São Paulo, pelo Museu Niemeyer de Curitiba e pelo Museu de Arte Moderna de Salvador. A vinda de O Pensador ao Brasil foi possível porque seus proprietários, colecionadores privados franceses, querem vendê-la, a um preço que oscila em torno de US$ 1,1 milhão (R$ 4 milhões). Era um sonho do ex-adido cultural francês, Romaric Suger Büel, que em 1996 organizou uma grande mostra de Rodin no Rio e em São Paulo, mas trouxe a versão de 72 centímetros, criada em 1884, para ser exposta acima de A Porta do Inferno. "Expô-la aqui completa a mostra daquela época, mas será ótimo se algum mecenas se interessar em ter aqui uma obra tão importante", diz Büel. Nas quatro cidades haverá a exibição de três documentários sobre o artista e o longa Camille Claudel, de Bruno Nuttyen, com Gerard Dépardieu e Isabelle Adjani como o escultor e sua amante. Na atual dimensão, O Pensador foi apresentado ao público em 1904 e causou escândalo. Os defensores da arte acadêmica a acharam próxima demais à realidade. Sem se ligar a escolas estéticas, Rodin sequer contestou as críticas, mas revolucionou a escultura com estas e outras obras. "Apesar de ser figurativo, Rodin expressava muito mais que a imagem que reproduzia, nelas há sentimentos de gozo, alegria, angústia etc.", conclui Büel. "O Pensador é o melhor exemplo de sua arte."

Agencia Estado,

03 de agosto de 2004 | 12h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.