O palco das novidades

Entre diversas atrações que o Brasil já recebeu outras vezes e apenas duas inéditas (Kate Perry e Rihanna, que também fazem shows em São Paulo), o que há de alternativa para a mesmice no Rock in Rio em setembro concentra-se no palco Sunset, que tem Zé Ricardo como curador e produtor. Não que todos os nomes também sejam inéditos no País, mas os shows têm um outro perfil - além dos encontros entre brasileiros e astros internacionais, o repertório é todo sugerido pelo curador. Alguns privilegiados terão prazer extra, já que no backstage, depois dos shows (programados para o horário das 15 às 19 horas), todo dia vai ter festa, com um pequeno palco aberto a jam sessions.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

Zé Ricardo fez curadoria de dois Rock in Rio em Lisboa (2008 e 2010) e um em Madri (2010). Em Portugal, com a colaboração de Rui Veloso, foi responsável por dar maior dimensão às carreiras de artistas locais surpreendendo o próprio público português. De lá, ele traz agora um dos maiores ídolos da música pop lusitana, o cantor David Fonseca.

A propósito, no CD Vários em Um, Zé conta com participação de Tim, da banda Xutos e Pontapés, que vai dividir o palco com os Titãs. O Sunset, desde 2007, teve uma reviravolta, quando a direção do festival decidiu transformá-lo num palco tão importante quanto o principal. Rui Veloso sugeriu o nome de Zé Ricardo, que a partir do ano seguinte arriscou e acertou.

No Rio vai promover encontros de Zeca Baleiro com Lokua Kanza (do Congo), Mike Patton (do Faith no More) com a Orquestra Sinfônica de Heliópolis, Jorge Drexler com Tiê, na medida do possível colocando um artista consagrado com uma revelação. "A empresária da Joss Stone me mandou um e-mail contando que ela disse que adorou a ideia de cantar nesse palco e acha que vai se divertir muito", conta Zé. "Então começou a ecoar no meio dos managers e artistas que existe um palco dentro do festival em que eles podem vir experimentar outras coisas, que não são comerciais."

A intenção dele com o conceito do Sunset é que o palco receba "todo o resto da qualidade da música mundial" que os outros palcos não têm, tirando os artistas da zona de conforto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.