O mito que os brasileiros ainda tentam decifrar

Nascido em 1972, o cineasta inglês de ascendência indiana Asif Kapadia possui uma trajetória vencedora - e multipremiada -, desde que estreou com The Sheep, que ganhou o prêmio da Cinéfondation em Cannes, 1997. O mais recente de seus filmes premiados tem tudo a ver com o Brasil. Senna, documentário sobre o piloto Ayrton Senna, ganhou em janeiro o prêmio do público - o World Cinema Audience Award de melhor documentário - no Festival Sundance. Kapadia trabalhou cinco anos no projeto, três somente na montagem. Lançado em novembro, Senna não fez grande sucesso nos cinemas brasileiros. O filme chega às lojas no dia 24, em DVD da Universal (R$ 44,90), para nova carreira. O diretor conversou pelo telefone, de Londres, com o Estado.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2011 | 00h00

Foi uma surpresa para você que Senna tenha recebido o prêmio do público em Sundance?

Não tínhamos assessoria de imprensa, éramos um grupo reduzido e Senna não parecia um personagem atraente para muitos. A surpresa foi constatar que, sim, o nome dele se constituía num chamariz muito grande, mesmo nos EUA. Um espectador viajou de carro, na neve, mais de um dia para assistir ao documentário com a família. Logo se instalou um boca a boca. No limite, foi o personagem que atraiu o público.

Os americanos têm a mesma curiosidade que os brasileiros pela vida íntima de Senna?

É interessante que você faça essa pergunta. Só os brasileiros se interessam pela vida íntima de Senna, pelo que ele era ou não. Para o público internacional, o que persiste é a lembrança do corredor. Senna foi um piloto excepcional e sua rivalidade com Alain Prost marcou uma era da F-1. Quando me propuseram fazer o filme, não sabia muito, quase nada sobre o personagem. Meu pai foi o primeiro a se entusiasmar. Senna virou um mito das pistas, e não apenas no Brasil, embora para vocês ele tenha um significado todo especial.

Foi difícil achar o viés narrativo?

Tinha muito material de arquivo. Pela primeira vez, trabalhei basicamente com material que não filmei. A estrutura narrativa mudou muito. Cada nova descoberta me levava a um novo enfoque. No fim, creio que Senna está no filme, com sua complexidade.

Ele gostaria do filme?

Do que descobri, Senna não era homem de ficar vendo filmes. Quando não estava correndo, ele gostava de sair para atividades na natureza. Jo Ramirez, que foi coordenador da McLaren, me deu a visão mais abrangente desse Senna mais íntimo, que os brasileiros ainda tentam decifrar.

SENNA

Direção: Asif Kapadia. Universal. 105 min.

R$ 44,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.