O maior lance é para mexicano

Tela de Miguel Covarrubias, de 1932, atinge US$ 850 mil na Christie's de NY em venda de arte latino-americana

Tonica Chagas, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2011 | 00h00

Oferenda de Frutas para o Templo, óleo sobre tela criado em 1932 pelo mexicano Miguel Covarrubias (1904-1957) numa de suas viagens a Bali, ilustrou a capa do catálogo para o leilão de arte latino-americana da Christie"s de Nova York nesta temporada. E mereceu o destaque: avaliado entre US$ 200 mil e US$ 300 mil, o quadro foi vendido na quinta-feira à noite pelo lance de US$ 850 mil. Somada a comissão da casa de leilões, seu preço final ficou em US$ 1.022.500.

Pouco conhecido e exibido no Brasil apenas uma vez, em 1957, Sonhos do Carnaval, pintado dois anos antes por Di Cavalcanti (1897-1976), obteve o segundo maior preço da noite. Com estimativa entre US$ 650 mil e US$ 850 mil, a tela foi arrematada em lance por telefone pelo preço final de US$ 782,5 mil. Outro trabalho de Di Cavalcanti sobre o mesmo tema, pintado em 1946 e avaliado pelos leiloeiros entre US$ 200 mil e US$ 300 mil, foi adquirido por US$ 266,5 mil.

Além dos quadros de Di, foram leiloadas mais três obras de artistas brasileiros. Cajus (1994), acrílica sobre papel de Beatriz Milhazes avaliada entre US$ 120 mil e US$ 180 mil, foi vendida por US$ 206,5 mil; Olga, After Picasso, da série Pinturas de Pigmento (2007) do fotógrafo Vik Muniz e com preço estimado entre US$ 30 mil e US$ 40 mil, saiu por US$ 52,5 mil; Paisagem II, óleo e poliuretano sobre madeira feito por Adriana Varejão em 1997, para o qual se previu preço entre US$ 200 mil e US$ 300 mil, foi o último lote da noite, vendido por US$ 542,5 mil.

Nenhum dos lotes para os quais a Christie"s previu possibilidade de venda em torno de US$ 1 milhão alcançou lance suficiente para ser vendido. Serenata a la Luna, por exemplo, pintado em 1947 pelo mexicano Rufino Tamayo (1899- 1991), parou em US$ 880 mil; Colombian Landscape, um Botero monumental de 1986, foi até US$ 650 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.