O mágico pedido de perdão que Tati aprovaria

Começa hoje o ciclo que resgata tesouros do cinema e grandes filmes que fizeram história no Belas Artes, o conjunto de salas que está com seus dias contatos em São Paulo. Um dos filmes do segundo grupo é uma animação, As Bicicletas de Bellevue, de Sylvain Chomet. O filme estará de volta simultaneamente com o lançamento do novo trabalho do diretor, também nesta sexta-feira.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2011 | 00h00

O Mágico leva jeito de virar cult, como As Bicicletas. Em Berlim, em fevereiro passado - há quase um ano -, Chomet havia relatado a gênese do projeto. A entrevista foi publicada quando o filme passou na Mostra de São Paulo, em outubro. Vale retomar seus pontos essenciais. O Mágico era um projeto de Jacques Tati, criador de um dos personagens cômicos mais famosos do cinema, M. Hulot. Tati escreveu o roteiro, mas não teve tempo de realizar O Mágico. Talvez ele não o tivesse realizado, mesmo com tempo. O Mágico foi uma carta que ele endereçou à filha que não reconheceu.

A história é complicada. Tati teve um romance com uma dançarina de music-hall. Por influência da irmã, ele não apenas se afastou da mulher amada como ignorou a filha que ela esperava dele. Anos mais tarde, já desenganado, ele concebeu esse roteiro.

Mesmo que o filme não seja autobiográfico, é impossível imaginar obra que seja mais pessoal. É a história de um mágico decadente e solitário. Ele se sente o último dos artistas e dos homens. Encontra essa garota, uma fã, que lhe devolve a confiança. Por meio dela, do seu amor, da sua devoção, o mágico se reconstrói internamente. Com sua carta para a filha, Tati estava endereçando um pedido de perdão, de reconhecimento. Após a morte do pai, ela encaminhou e cedeu o material para que Sylvain Chomet fizesse esse filme. O próprio Tati teria gostado. Dificilmente ele teria distanciamento para fazer um filme melhor.

O MÁGICO

Nome original: L"Illusionniste. Direção: Sylvain Chomet. Gênero: Animação (França-Inglaterra/2010, 90 min.). Censura: 12 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.