"O Mágico de Oz" chega ao palco com produção de R$ 6 mihões

Amparado por uma produção de R$ 6 milhões e disposto a bater em repercussão espetáculos como Les Misérables e A Bela e a Fera, o musical O Mágico de Oz estréia hoje, no Via Funchal, oferecendo efeitos especiais ainda não apresentados em palcos brasileiros. "A tecnologia vai permitir que, em determinados momentos, a platéia se sinta dentro da história", garante o diretor Billy Bond, responsável pela concepção do espetáculo. Desses momentos, dois se destacam: a cena do ciclone, que leva a casa da garotinha Dorothy até o mundo de Oz, é amparada por potentes ventiladores que, além de varrer o palco, vão ventilar os espectadores das primeiras filas; e o vôo dos macacos alados, que sobrevoam a platéia.A história, consagrada no filme estrelado por Judy Garland, conta o sonho de Dorothy que, acompanhada do cachorro Totó, deixa o sítio onde mora com os tios e viaja até o mundo de Oz. Lá, conhece personagens que exaltam qualidades como coragem (Leão), inteligência (Espantalho) e amor (Homem de Lata). Conhece também a Bruxa Má, que tenta impedir a volta para casa. A mensagem, aliás, é esta: não existe lugar algum melhor que nossa casa.A produção brasileira afirma ter se inspirado em uma versão montada na Broadway há mais dez anos. "Como a tecnologia na época era muito inferior, não havia os efeitos que colocamos agora", explica Bond, dizendo ainda que a montagem é uma "espécie de mistura do que se viu na Broadway com o filme". Ou seja, como não enfrenta a exigência de seguir rigidamente um modelo americano (como é o caso, por exemplo, de A Bela e a Fera), Bond pôde conceber o espetáculo ao seu critério. A coreografia, por exemplo, foi adaptada da encenação original, assim como as canções.Como nos musicais de grande porte, os atores principais têm substitutos devido ao número de apresentações semanais. O revezamento é necessário pois, nos primeiros sábados, haverá três apresentações. Isso para atender ao Pão de Açúcar, patrocinador do espetáculo que oferece aos seus clientes a oportunidade de ganhar ingressos grátis. São 120 mil bilhetes no total, o que faz com que, no início da temporada, apenas 20% dos ingressos estejam liberados para venda aberta.O Mágico de Oz. Baseado no livro L. Frank Baum. Adaptação Billy Bond e Lilio Alonso. Duração: 2h15. Os horários vão variar a cada semana. Hoje, às 20h30; amanhã, somente para convidados; sexta, às 16h30 e 20h30; sábado, às 11h30, 16h30 e 20h30; domingo, às 11h30, 16h30 e 20h30. De 35,00 a R$ 125,00. Via Funchal. Rua Funchal, 65, tel. 3846 2300.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.