Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O leopardo

Os Estados Unidos têm 4% da população do planeta e emitem um quarto do dióxido de carbono e outros venenos que ameaçam todo o mundo

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 05h00

O Kilimanjaro é aquela montanha na África onde, segundo Hemingway contou, um dia encontraram a carcaça congelada de um leopardo perto do cume, e nunca ficaram sabendo o que o leopardo fazia por lá. O leopardo de Hemingway já foi considerado símbolo de muitas coisas: espírito de aventura, a busca solitária do inalcançável, a imprevisibilidade do comportamento humano, a pretensão ou a simples inquietação que move bichos e artistas. Num mundo ameaçado de afogamento pelo degelo causado pelo aquecimento global, o leopardo de Hemingway também pode simbolizar o instinto suicida que nos trouxe a esse ponto. O próprio Kilimanjaro é um termômetro assustador do efeito estufa cujas consequências e combate se discutem hoje. O pico do monte já perdeu mais de 80% da sua cobertura de neve nos últimos 90 anos e o cálculo é que a neve desaparecerá por completo nos próximos 20.

Os Estados Unidos têm 4% da população do planeta e emitem um quarto do dióxido de carbono e outros venenos que ameaçam todo o mundo. Mas não são vilões isolados, nem se deve estranhar muito sua aparente opção pelo suicídio declarada pelo Trump. Escrevendo num London Review of Books sobre o fim próximo da civilização do hidrocarboneto, Murray Sayle fez um paralelo entre Japão e Europa, onde já haviam comunidades nacionais antes da Revolução Industrial, e o Novo Mundo, onde as identidades nacionais se formaram graças ao combustível fóssil, e não seriam países se não fosse pelo trem, o barco a vapor e depois o automóvel. Nesses países o ambientalismo contradiz toda uma cultura empreendedora, que definiu o caráter nacional. O que se está pedindo deles é nada menos do que uma condenação da própria história e uma revolução do pensamento. 

O fato é que um dia um extraterreno descobrirá a carcaça calcinada - ou congelada, já que depois do dilúvio virá outra era glacial - de um homem da idade do hidrocarboneto, e a considerará tão inexplicável quanto a do leopardo de Hemingway.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.