O laboratório de gêneros de Woody Allen

Fox lança coleção com 20 títulos essenciais realizados pelo cineasta norte-americano entre 1971 e 2004

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

 Dois dos três filmes de Woody Allen que o diretor norte-americano mais gosta estão na caixa que a Fox Home Entertainment lança esta semana com duas dezenas de suas melhores obras, do ultrajante Bananas (1971), crítica mordaz ao radicalismo de guerrilheiros latinos, ao intelectual Melinda e Melinda (2004), passando por Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), Zelig (1983), Setembro (1987) e Neblina e Sombras (1991). Os dois filmes anteriormente citados como os favoritos de Allen são Memórias (1980) e A Rosa Púrpura do Cairo (1985). O terceiro da lista não está na caixa: é o recente Match Point (2005).

A seleção da Fox contempla grandes momentos da carreira do diretor e os títulos podem ser adquiridos separadamente. Todos tiveram seus preços reduzidos para venda individual, de R$ 24,90 para R$ 19,90. O box completo com os 20 títulos custa R$ 249,90. Embora não tragam extras adicionais às cópias que circulavam anteriormente (Allen jamais grava extras ou revê seus filmes), os títulos justificam o investimento. De alguma forma, eles sintetizam uma carreira de mais de 40 anos no cinema, marcada sobretudo pela experimentação - há tanto a screwball comedy, em que vale tudo (O Dorminhoco, 1973), como o intimista exercício bergmaniano de Interiores (1978), incluindo incursões nostálgicas na biografia do realizador e no passado histórico americano - A Rosa Púrpura do Cairo (1985) e A Era de Rádio (1986).

Em todos esses filmes, as mudanças de registro são exercícios de um intelectual que fez do cinema uma espécie de laboratório de gêneros - da comédia escrachada (Bananas) ao melodrama (Simplesmente Alice, 1990), esbarrando no horror moderno (o do serial killers em Neblina e Sombras). Esse fio tênue que separa os gêneros, aliás, é discutido em Melinda e Melinda, em que Allen conta uma mesma história em duas diferentes versões, uma cômica e outra séria. Essa mudança de perspectiva é orientada pelas duas maiores fixações de Allen, o soturno Ingmar Bergman e o festivo Federico Fellini. Ficou marcada em sua memória uma conversa que teve com Sven Nykvist (que fez as imagens de Crimes e Pecados em 1989, um dos filmes do box), em que o fotógrafo de Bergman conta como ele e o cineasta sueco se divertiam filmando cenas dramáticas, enquanto faziam fofocas sobre a vida sexual dos atores.

Num de seus filmes, Allen justifica essa postura dizendo que todos conhecem a mesma verdade, mas que nossas vidas consistem em distorcê-la, seja por meio da religião, do sexo ou da política. A arte, para ele, não transcende, não tem vida após a morte. Tem de ser consumida no contexto da existência do artista. Isso não quer dizer que ele e seus colegas façam filmes descartáveis, mas que é preciso levar em conta a vida real de seus contemporâneos para poder comunicar algo de palpável dentro de um curto espaço de tempo, e não produzir apenas entretenimento. Isso explica a adoção do cinema europeu como modelo.

Tanto que, ao decidir contestar sua classificação usual - o de realizador de comédias de tipos - realizando Interiores, o adjetivo bergmaniano foi colado automaticamente ao cineasta, que logo surpreenderia os críticos no ano seguinte ao retomar o caminho dos estereotipados neuróticos nova-iorquinos em Manhattan. O filme virou cult, a despeito de Allen, surpreendentemente, ter abjurado a obra, a ponto de ter feito Memórias para inaugurar outra fase nos anos 1980, a dos filmes com reminiscências da infância e da adolescência. Esse filão rendeu filmes engraçadíssimos como A Era do Rádio (1987) e Broadway Danny Rose (1984). Muitos defendem que foi a época de ouro de Allen, mas, a considerar seu último filme, Tudo Pode Dar Certo, ele ainda está em plena forma.

DESTAQUE DA CAIXA

A Rosa Púrpura do Cairo

Rodado em 1985, é um dos três favoritos do cineasta

Manhattan

Cult absoluto entre os fãs, não passou pela revisão crítica de seu exigente

realizador

Melinda e Melinda

O mais recente da coleção (2004). Conta a mesma história em duas versões

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa

Feito em 1977, definiu um cinema de tipos de NY

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.