O jazz escancarado em dois concertos franceses

O jazz é o fio condutor das músicas interpretadas pelo pianista Bavouzet - que encantou São Paulo em agosto do ano passado, em recital e com a Osesp - num CD importado do selo inglês Chandos. Quase tudo nele é francês. Os compositores Debussy, Ravel e Massenet; o maestro Yan Pascal Tortelier, ainda titular da Osesp; e o pianista. Ingleses mesmo, só a orquestra, a da BBC, a gravadora Chandos e a carreira de Tortelier, construída na Grã-Bretanha.

João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2011 | 00h00

A música tem desses lances mediúnicos. O espírito de Gershwin faz voos rasantes sobre as obras de Ravel e Debussy. O espanto aflora no caso de Debussy, que compôs sua Fantasia para Piano e Orquestra em 1890. Naquele ano, o jazz ainda estava por nascer. O segundo movimento da Fantasia, por exemplo, tem algo premonitoriamente jazzístico.

Mas o jazz se escancara mesmo nas duas obras concertantes de Ravel, um dos grandes amigos franceses de Gershwin (eles se conheceram em 1923, em Paris, e voltaram a se ver quando Ravel fez uma turnê alguns anos depois pelos EUA). O Concerto em Sol é emprenhado pelo jazz, sobretudo o Presto final. O mesmo espírito governa a escrita do concerto para a mão esquerda, composto por Ravel para o pianista austríaco Paul Wittgenstein, que perdera o braço direito na 1.ª Guerra Mundial. Este lhe sugeriu "melhoras" quando viu a partitura e resmungou que "os intérpretes não devem ser escravos dos compositores". Ravel devolveu-lhe que "os intérpretes são, sim, escravos".

As cerejas deste bolo refinadíssimo são as miniaturas de Massenet tocadas com graça e leveza por Bavouzet. O destaque são para os dois sedutores improvisos de 1906 em torno de versos sobre a água, de Francisque Rochez: Eau Dormante, ou Água parada, quase estática; e Eau Courante. Vite, ou Água Corrente. Rápido, um delirante moto-perpétuo de semicolcheias na mão direita, flanando freneticamente sobre a mão esquerda que teima em se ocupar com melodias cantantes ou com ligeiros stacattos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.