Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O irredutível

Reduzir faz parte do vezo ocidental. A água é redutível à combinação de moléculas de hidrogênio e oxigênio

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2018 | 02h00

Mesmo tendo consciência de que vou entrar num terreno movediço, a conjuntura me leva a abordar o irredutível. 

O inarredável é a porta fechada à tranca. É que não tem jeito ou remédio. O “The End” que nos obriga a sair do escurinho do cinema para a clareza cruel da vida. Como dizia Tia Amália para quatro meninos ouvintes nas tardes de chuva nas quais eram reduzidos a ficar em casa para não pegar pneumonia: “Acabou-se a história!”. 

O irredutível falta de intenções e tentações. Ele também é óbvia ou oculta baliza social. O irredutível quarto escuro cheio de fantasmas volta a ser um rotineiro aposento quando a luz se acende! O pesadelo no qual o diabo surge em todo o seu poder simplesmente desaparece quando acordamos. Viver o “noves fora, zero!” ou perder uma eleição é passar pelo irredutível. 

Reduzir faz parte do vezo ocidental. A água é redutível à combinação de moléculas de hidrogênio e oxigênio. Mas a liquidez ultrapassa o materialismo molecular. Basta recordar, com o antropólogo Leslie White, como um gesto transforma o líquido definido pela química numa alegórica e possante “água benta”. Por outro lado, um filtro a transforma em “água potável”; ao passo que o fogo produz “água destilada”. Colocado diante de copos com água benta, potável e destilada beberíamos, com toda certeza, o da água potável. A água assentada para beber que, mais além, não se confunde na famosa “água que passarinho não bebe”...

Isso nos remete à variedade dos irredutíveis. Seria possível dizer que “cada sociedade tem o irredutível que merece?” – e que esse limite é o que produz sua singularidade ou colorido? E que quase sempre é reduzido a um estereótipo, tipo: os ingleses são fleumático; os franceses são refinados e os americanos são chatos por que não mentem? Enquanto nós, somos avessos ao trabalho porque fomos fabricados por “raças inferiores”? 

O irredutível é tido como natural – os homens são de Marte, as mulheres de Vênus – ele é o ponto, o dogma e o tabu. Em muitos casos, é o impensável e o antilógico cimentador do senso comum. Não brinque com fogo! Respeite a mulher alheia! Não beba demais!

Antes do advento da antropologia social (quando o mundo era grande), os irredutíveis dos outros eram tidos como heréticos, atrasados e primitivos. Talvez nem existissem...

Mas, na verdade, todo mundo tem seus irredutíveis. Decifrá-los é traduzi-los. Mas tome cuidado porque quando se questiona um irredutível, ele pode virar tabu; pode reafirmar-se como um dogma ou surgir na forma de uma crença. Antigamente, a crença e a fé surgiam no campo religioso. Num mundo sem Deus, porém, elas viram radicalismos que exigem fidelidade absoluta. Morrer por alguma coisa faz suspeitar que essa coisa seja um irredutível.

Todo radicalismo é irremível ou um resistente a outra linguagem. Seu absolutismo recusa a possibilidade de ele ser expresso num outro código. O irredutível recusa traduções. 

Conhecer uma pessoa é ter acesso aos seus irredutíveis. Saber do que ela gosta, conhecer seus hábitos e valores.

Quais seriam os irredutíveis do Brasil lido como sociedade e cultura? A falta de gestão eficiente, privilégios além da conta, desperdícios de toda ordem, mentiras como credo, total ausência de senso de realidade, gastos excessivos e, por fim, mais não por último, o flagelo da corrupção que substituiu o dragão inflacionário. No espaço de uma croniqueta, esses são alguns irredutíveis conscientes. 

Mas e os que nem são percebidos? Como o viés hierárquico que nos torna alérgicos a toda norma igualitária ou meritocrática e faz com que tenhamos duas faces? Uma para os nossos e outra para os outros? Afinal, como dizia um grande ator político, temos todas as coragens, menos a coragem de recusar o pedido de um amigo. Estaria nesse jogo contraditório o nosso irredutível?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.