REUTERS/Sergio Flores
O festival SXSW, de cultura e inovação, teve sua edição anual em Austin cancelada pelos organizadores  REUTERS/Sergio Flores

O festival SXSW, de cultura e inovação, teve sua edição anual em Austin cancelada pelos organizadores  REUTERS/Sergio Flores

O impacto do novo coronavírus na cultura: cancelamentos e prejuízo

Eventos culturais, como festivais de música e feiras literárias, e locais, como museus e espaços de exibição, foram fechados ou cancelados para evitar a aglomeração de pessoas

Redação , O Estado de S. Paulo

Atualizado

O festival SXSW, de cultura e inovação, teve sua edição anual em Austin cancelada pelos organizadores  REUTERS/Sergio Flores

O cancelamento do festival South By Southwest, em Austin, nos EUA, se junta à lista de eventos impedidos de serem realizados por conta da ameaça do novo coronavírus.

O vírus que surgiu na China no fim do ano passado já chegou a mais de 86 países, segundo a Organização Mundial da Saúde, ultrapassa o número de 3,2 mil mortes e registra mais de 98 mil infectados. Apesar de ter uma grande capacidade de contágio, a letalidade do coronavírus não é considerada alta e, segundo o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há motivo para pânico. 

Mesmo assim, diversos eventos culturais, como festivais de música e feiras literárias, e locais, como museus e espaços de exibição, foram fechados ou cancelados para evitar a aglomeração de pessoas.

Na Coreia do Sul, o grupo de k-pop BTS cancelou quatro shows que faria em abril. A Art Basel Hong Kong, maior feira do setor na Ásia, teve sua oitava edição cancelada.

Na Europa, o Salão do Livro de Paris, principal feira do gênero na França e realizado anualmente, e a Feira do Livro de Londres também fecharam os planos para este ano. A Bienal de Arquitetura de Veneza, considerado o maior evento mundial do setor e que estava prevista para maio, será adiada para agosto.

A estreia do próximo filme da saga de James Bond, 007 - Sem Tempo para Morrer, foi adiada de abril para novembro.

No Brasil, o Instituto CPFL emitiu comunicado informando que vai cancelar sua programação prevista para os meses de março e abril, em sua sede, em Campinas, para evitar a disseminação do vírus.

Arraste essa notícia para baixo para conferir uma lista de cancelamentos na área da cultura por conta do novo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Festival de cultura e inovação SXSW é cancelado por conta do coronavírus

Evento aconteceria em Austin, nos EUA, entre os dias 13 e 22 de março; feira reuniria 400 mil pessoas em palestras, shows, workshops e estreias de cinema

Redação Link, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2020 | 19h43

O festival de música, cinema e tecnologia South by Southwest (SXSW), realizado tradicionalmente na cidade de Austin, Texas, nos Estados Unidos, teve sua edição de 2020 cancelada por conta do coronavírus. A decisão foi anunciada pelo prefeito da cidade, Steve Adler, em uma conferência de imprensa na noite desta sexta-feira, 6. "Baseado na recomendação das autoridades de saúde da cidade, eu propus uma order que cancela efetivamente o SXSW", disse o político. 

Em nota enviada à imprensa, a organização do evento disse que seguirá a decisão do prefeito e anunciou o cancelamento. "Estamos explorando opções para remarcá-lo e estamos trabalhando para criar uma experiência online do SXSW para todos os participantes", afirmou a organização. Ainda não se sabe se os participantes e patrocinadores serão reembolsados – uma credencial para participar da feira pode custar cerca de US$ 1,5 mil. 

Por enquanto, ainda não há casos confirmados do novo coronavírus na região, mas o chefe da autoridade de saúde da cidade, o médico Mark Escott, disse que o cancelamento foi uma atitude proativa, considerando a quantidade de pessoas que participa do SXSW – no ano passado, o evento trouxe cerca de 400 mil pessoas à cidade. A notícia surge três dias após o prefeito da cidade negar que cancelaria o evento por conta da epidemia global, mesmo com as decisões de Apple e Netflix de abandonar o evento. 

Com o cancelamento, o SXSW se junta a uma longa lista de eventos de tecnologia que foram desmarcados por conta do novo coronavírus. Entre eles, estão a feira de telefonia celular Mobile World Congress, prevista para o final de fevereiro em Barcelona, a conferência de desenvolvedores de games Game Developers Conference e os eventos de Facebook (F8) e Google (I/O) para desenvolvedores – os três últimos seriam realizados na região de São Francisco entre o final de março e o início de maio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Grife italiana Versace adia desfile nos EUA devido a surto de coronavírus

Decisão é uma reação às 'medidas de restrição relacionadas à mobilidade internacional'

Claudia Cristoferi, Reuters

05 de março de 2020 | 14h03

A grife italiana Versace informou nesta quinta-feira, 5, que decidiu adiar um desfile marcado para meados de maio nos Estados Unidos por causa do surto de coronavírus.

A decisão é uma reação às “medidas de restrição relacionadas à mobilidade internacional”, informou um comunicado da casa de moda sediada em Milão, que é propriedade da norte-americana Capri.

A coleção Cruzeiro - um desfile que é realizado fora do calendário normal das semanas de moda, mas é uma fonte de vendas importante - deveria acontecer em 16 de maio. O local não foi revelado.

O comunicado acrescentou que a “Versace está ciente da necessidade de se priorizar a saúde e a segurança de seus convidados e funcionários”, e que maiores detalhes serão providenciados o mais cedo possível.

No mês passado, a italiana Prada cancelou um desfile no Japão agendado para maio por causa da epidemia de coronavírus.

O estilista italiano Giorgio Armani decidiu realizar um desfile a portas fechadas durante a Semana de Moda de Milão no dia 23 de fevereiro, dias depois de o primeiro caso oficial de coronavírus ser anunciado em regiões do norte da Itália.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
modaVersacecoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Instituto CPFL, do Café Filosófico, cancela programação para evitar disseminação do coronavírus

Com sede em Campinas, instituição comunicou que seguirá recomendações do Ministério da Saúde para evitar locais com aglomerações e ambientes fechados

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2020 | 13h07

O Instituto CPFL emitiu comunicado informando que vai cancelar sua programação prevista para os meses de março e abril, em sua sede, em Campinas, para evitar a disseminação do coronavírus.

Os eventos impactados serão o Cine CPFL, o Café Filosófico e as exposições de artes. “Essa é uma medida inabitual, que visa zelar por um ambiente saudável para o público visitante, colaboradores, fornecedores e a comunidade em geral”, informou, no comunicado, Mário Mazzilli, diretor superintendente do Instituto CPFL.

A decisão segue uma orientação do Ministério da Saúde, sobre evitar locais com aglomerações, ambientes fechados sem ventilação e deslocamento aéreos sem extrema necessidade. 

 

Coronavírus na Cultura

Surto do vírus afetou diversas programações culturais como lançamentos, feiras e estreias. Algumas atrações foram canceladas ou adiadas na Europa.

Literatura 

Os organizadores da Feira do Livro de Londres anunciaram que o evento programado para os dias 10, 11 e 12 de março foi cancelado para evitar a disseminação do coronavírus.

Nesta semana o Salão do Livro de Paris também foi cancelado, devido às medidas adotadas pelo governo francês contra o coronavírus. Nesta terça, 3, a Feira do Livro de Leipzig, na Alemanha, também foi cancelada.

Feira do Livro Infantil de Bolonha, que também seria realizada em março, foi adiada para maio. Ela está prevista para ser realizada entre os dias 5 e 7. 

Museu

Museu do Louvre, um dos principais pontos turísticos de Paris, voltou a ficar fechado nesta segunda-feira, 2, pelo segundo dia, porque os funcionários usaram de seu direito de não trabalhar em caso de perigo. Eles votaram unanimamente por não trabalhar.

Artes Visuais

A Art Basel Hong Kong, maior feira do setor na Ásia, teve sua oitava edição cancelada. No ano passado, o evento recebeu 88 mil pessoas e 242 galerias.

Cinema 

Além das 70 mil salas de cinema fechadas na China, lançamentos como Mulan frearam sua divulgação no país.

Gravações em curso também estão paradas. O novo Missão Impossível teve de suspender as filmagens em Veneza. O longa Red Notice, com Gal Gadot, também seria filmado na Itália e agora terá que mudar de país.

Música

Turnês de artistas como Avril LavigneGreen Day e BTS foram interrompidas. A perda é estimada em U$ 286 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Estreia de '007 - Sem Tempo para Morrer' integra lista de cancelamentos por causa do coronavírus

Último filme do ator Daniel Craig como James Bond ganhou nova data de estreia; surto do vírus já afetou lançamentos, feiras, desfiles e eventos culturais pelo mundo

Redação, Reuters

04 de março de 2020 | 15h15

A estreia do próximo filme da saga de James Bond, 007 - Sem Tempo para Morrer foi adiada de abril para novembro, anunciaram seus produtores nesta quarta-feira, 4, por conta do crescente medo do surto do novo coronavírus.

O filme será lançado no Reino Unido, em 12 de novembro, e nos Estados Unidos no dia 25 de novembro, com datas para o resto do mundo ainda a serem confirmadas, anunciaram no Twitter. "A MGM, Universal e os produtores Michael G. Wilson e Barbara Broccoli anunciaram hoje que, após cuidadosa consideração e avaliação do mercado mundial de filmes, o lançamento de 'No Time to Die' será adiado para novembro de 2020", informou na conta oficial do Twitter de 007.

Grupos de fãs do famoso espião haviam pedido para que a produção adiasse a chegada do filme aos cinemas. Desde o surgimento do surto, no final do ano, o vírus infectou mais de 93.000 pessoas em todo o mundo e matou mais de 3.200, principalmente na China, e muitos países agora lutam para conter sua propagação.

Este deve ser o último filme do ator Daniel Craig como 007, depois de ter estrelado os quatro filmes anteriores.

Coronavírus na Cultura

Surto do vírus afetou diversas programações culturais como lançamentos, feiras e estreias. Algumas atrações foram canceladas ou adiadas na Europa.

Literatura 

Os organizadores da Feira do Livro de Londres anunciaram que o evento programado para os dias 10, 11 e 12 de março foi cancelado para evitar a disseminação do coronavírus.

Nesta semana o Salão do Livro de Paris também foi cancelado, devido às medidas adotadas pelo governo francês contra o coronavírus. Nesta terça, 3, a Feira do Livro de Leipzig, na Alemanha, também foi cancelada.

Feira do Livro Infantil de Bolonha, que também seria realizada em março, foi adiada para maio. Ela está prevista para ser realizada entre os dias 5 e 7. 

Museu

Museu do Louvre, um dos principais pontos turísticos de Paris, voltou a ficar fechado nesta segunda-feira, 2, pelo segundo dia, porque os funcionários usaram de seu direito de não trabalhar em caso de perigo. Eles votaram unanimamente por não trabalhar.

Artes Visuais

A Art Basel Hong Kong, maior feira do setor na Ásia, teve sua oitava edição cancelada. No ano passado, o evento recebeu 88 mil pessoas e 242 galerias.

Cinema 

Além das 70 mil salas de cinema fechadas na China, lançamentos como Mulan frearam sua divulgação no país.

Gravações em curso também estão paradas. O novo Missão Impossível teve de suspender as filmagens em Veneza. O longa Red Notice, com Gal Gadot, também seria filmado na Itália e agora terá que mudar de país.

Música

Turnês de artistas como Avril Lavigne, Green Day e BTS foram interrompidas. A perda é estimada em U$ 286 milhões.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Eventos de lançamento do Disney+ são cancelados na Europa por causa do coronavírus

Serviço de streaming cobrirá oito países do continente e cerimônia ocorreria no Reino Unido

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 12h00

Os eventos de lançamento da Disney+ na Europa, planejados para ocorrer em Londres na quinta e na sexta-feira desta semana, foram cancelados devido ao novo coronavírus

Em vídeo divulgado pelo Hollywood Reporter nesta quarta, 4, a Disney informou que a decisão se deu "devido ao cancelamento da participação de membros da mídia na cerimônia e o aumento das preocupações com viagens internacionais". 

O Disney+ havia sido lançado, em 12 de novembro de 2019, nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia e chegou à marca de 26,5 milhões de assinantes em todo mundo no final do ano passado. A estreia europeia será em 24 de março e vai cobrir o Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Itália, Irlanda, Áustria e Suíça. 

A Walt Disney Company confirmou que o Disney+ chegará ao Brasil e a outros países da América Latina ainda neste ano. O serviço conta com produções originais da Marvel, de Star Wars e um catálogo extenso de produções da Disney e da Fox, incluindo diversas animações. 

Coronavírus afeta indústria do entretenimento

O cancelamento dos eventos do Disney+ não é uma exceção. Conforme divulgou o E+ no começo de fevereiro, agências sul-coreanas estão cancelando shows de K-pop na Coreia do Sul e no exterior por causa do coronavírus. 

As boybands Winner e NCT Dream, por exemplo, cancelaram shows em Macau e Singapura. Além disso, a Orquestra Sinfônica de Boston cancelou, recentemente, uma turnê pela Ásia, e a Filarmônica de Hong Kong desmarcou cinco shows no continente asiático. 

Os efeitos colaterais do vírus têm atingido fortemente a indústria das artes na Ásia, especialmente em Hong Kong. A cidade, que se transformou em um centro cultural internacional e porta de entrada para a China, agora enfrenta o cancelamento de vários eventos.

A ausência de movimentação cultural no país causa estragos ainda maiores em uma economia já prejudicada por prolongados protestos contra o governo. A Art Basel Hong Kong, uma das feiras de arte mais prestigiadas da Ásia, estava prevista para acontecer neste mês de março e foi cancelada por cuidados com a epidemia e a segurança dos galeristas.

Tudo o que sabemos sobre:
DisneyDisney+coronavírustelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Feira do Livro de Londres é cancelada por causa do coronavírus

O evento afirmou que segue diretrizes do governo do Reino Unido e que deve retornar em 2021; Salão do Livro de Paris, e Feira do Livro Infantil de Bolonha também foram afetados

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 08h20

Os organizadores da Feira do Livro de Londres anunciaram que o evento programado para os dias 10, 11 e 12 de março foi cancelado para evitar a disseminação do coronavírus.

De acorco com o comunicado no site da feira que seria realizada em Olympia, "os efeitos, reais e projetados do coronavírus estão se tornando evidentes em todos os aspectos de nossas vidas aqui no Reino Unido e no mundo, com muitos de nossos participantes enfrentando restrições de viagem."

Ao seguir diretrizes do governo do Reino Unido, a feira deve retornar com sua próxima edição em 2021. "É com relutância que tomamos a decisão de não prosseguir com o evento deste ano. A London Book Fair retornará, melhor do que nunca, em 2021."

 

Cancelamentos

Nesta semana o Salão do Livro de Paris também foi cancelado, devido às medidas adotadas pelo governo francês contra o coronavírus. Nesta terça, 3, a Feira do Livro de Leipzig, na Alemanha, também foi cancelada.

Feira do Livro Infantil de Bolonha, que também seria realizada em março, foi adiada para maio. Ela está prevista para ser realizada entre os dias 5 e 7. 

Museu do Louvre, um dos principais pontos turísticos de Paris, voltou a ficar fechado nesta segunda-feira, 2, pelo segundo dia, porque os funcionários usaram de seu direito de não trabalhar em caso de perigo. Eles votaram unanimamente por não trabalhar.

Museu mais popular do mundo, o Louvre recebeu 9,6 milhões de visitantes em 2019.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Salão do Livro de Paris é cancelado e Louvre fecha pelo segundo dia por causa do coronavírus

No sábado, 29, o governo francês proibiu eventos com mais de 5 mil pessoas em lugar fechado

Redação, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2020 | 11h32

O Salão do Livro de Paris, principal feira do gênero na França e realizado anualmente na capital do país, foi cancelado devido às medidas adotadas pelo governo francês no sábado, 29, para evitar a disseminação do coronavírus. A informação é do sindicato dos editores, em comunicado.

"Seguindo a decisão do governo de proibir eventos com mais de 5 mil pessoas em um espaço fechado, é com pesar que cancelamos a edição de 2020 do Salão do Livro de Paris", disseram os editores. A 40.ª edição da feira seria realizada entre os dias 20 e 23 de março e receberia editores e escritores de diversos países.

A Feira do Livro Infantil de Bolonha, que também seria realizada em março, foi adiada para maio. Ela está prevista para ser realizada entre os dias 5 e 7.

A ver o que acontece com a Feira do Livro de Londres, ainda maior que o Salão do Livro de Paris, e que está marcada para os dias 10, 11 e 12 de março. Os organizadores dizem que estão acompanhando a situação e, dependendo do que as autoridades de saúde disserem, o evento pode ser cancelado ou mantido.

Até agora, o coronavírus matou duas pessoas na França e infectou cerca de 130.

Louvre fecha pelo segundo dia por medo do coronavírus

O Museu do Louvre, um dos principais pontos turísticos de Paris, voltou a ficar fechado nesta segunda-feira, 2, pelo segundo dia, porque os funcionários usaram de seu direito de não trabalhar em caso de perigo. Eles votaram unanimamente por não trabalhar.

Museu mais popular do mundo, o Louvre recebeu 9,6 milhões de visitantes em 2019.

COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

BTS cancela shows na Coreia do Sul por causa do coronavírus

Fãs doam dinheiro dos ingressos ressarcidos à instituição que combate a doença

Redação, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 17h51

Fenômeno do pop sul-coreano, o BTS cancelou quatro shows que faria em abril em um estádio de Seul, capital de seu país de origem, por causa do avanço do coronavírus. Quem comprou ingresso para as apresentações foi ressarcido. 

"Os planos para esses shows da turnê incluem o envolvimento de várias empresas e um grande grupo de equipe internacional especializada, com a expectativa de que os shows tenham mais de 200.000 espectadores. No entanto, o atual surto global de coronavírus (COVID-19) tornou impossível prever a escala do surto durante as datas do show em abril, além de aumentar a incerteza sobre a movimentação da equipe e do equipamento do show", afirmou a empresa responsável pelas apresentações.

Apesar da decepção, os fãs se organizaram para doar o dinheiro a uma organização criada para combater a doença. Anteriormente Suga, um dos integrantes do BTS, doou 100 milhões de wons (equivalente a R$ 370 mil) para a instituição Hope Bridge.

No início da semana, o BTS pediu aos seus fãs para que não fossem ir aos próximos shows, que ocorreriam em estúdios de TV, como parte da campanha de lançamento do disco Map Of The Soul: 7.

Tudo o que sabemos sobre:
BTScoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.