O Harry Potter de Scorsese

Leia amanhã no Magia e Tecnologia

ALEXANDRE MATIAS, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2011 | 03h06

O que é preciso saber ao se comprar um tablet? Não sabe se precisa de um? Quer aposentar o laptop? Respondemos a essas perguntas amanhã.

Na última Impressão Digital, deixo de lado o mundo dos celulares, redes sociais e aplicativos para falar de um outro tipo de tecnologia, mais ancestral. Especificamente, o cinema - que, quando surgiu, era uma novidade tecnológica tão festejada e vilanizada quanto o mundo digital é nesse início de século.

Hugo, o novo filme de Martin Scorsese, já estreou no exterior, mas só chega ao País no início do ano que vem. Pude assisti-lo e cravo sem pestanejar: é a mais bela obra da filmografia do diretor. E, mais do que isso, tem tudo a ver com a reputação que Scorsese criou - e deixou de lado nos últimos anos - em sua carreira.

(E, antes de continuar, um aviso: faça-se o favor de não ler muito sobre o filme, pois grande parte da beleza está na surpresa que Hugo esconde para a metade do filme em diante. Prometo que não toco nesse assunto.)

Scorsese tem sido criticado nos últimos anos por se ter tornado uma espécie de "diretor de aluguel", que filma obras que não fazem parte de seu espectro artístico. Há um certo exagero, mas a crítica tem fundamento. Basta comparar seus filmes de antes de 1995 (o ano de Cassino) com os que foram feitos depois disso.

Hugo, neste contexto, pode torcer o nariz de quem tem falado mal de sua carreira. Afinal, conta uma história "mágica" de um menino que vive na Paris dos anos 30 e descobre um robô que seu pai (o ator Jude Law) está tentando consertar.

O que vemos a partir daí é uma história que muitos já conhecem e que tem tudo a ver com o amor de Scorsese pela sua própria arte. E, mesmo que dê um pequeno nó na cabeça do espectador ao traduzir o mundo mágico do garoto Hugo - e explicar o que é a sua Hogwarts (para quem não sabe, Hogwarts é a escola de magia de Harry Potter) -, é um filme tocante, cheio de citações sutis e uma homenagem do tamanho da importância de Scorsese para o cinema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.