'O funk tem mais mulher'

Uma nova geração adere ao ritmo que surgiu nos morros cariocas

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2010 | 00h00

Funkeiros. Os MCs Rodrigo (esquerda), Furlan, Guuga e Balão, do Capão Redondo

 

 

O grupo de meninos no campo de terra da ONG Capão Cidadão sorri quando o repórter pergunta: funk ou rap? "A gente ouve muito mais funk. Quer fazer um teste? Para aqui com um carro tocando rap. Depois para com um tocando funk. Você vai ver", diz um garoto que dá o nome Guto. "O MV Bill perto do funk já era", completa o amigo Rodrigo Santos, 15 anos, o MC Rodriguinho. Quando indagados se não preferem o rap, já que é esta a música que fala de suas realidades, eles dizem: "O funk tem mais mulher."

Os funkeiros da região chegam para a entrevista. Felipe Assunção, 20 anos, é Bisteca. Seu cachê por show é de R$ 2 mil. Junto com Balão e Japinha, forma o Bonde do Canguru, que consegue tirar em um mês mais de R$ 3 mil. Ele diz não sentir rivalidades com o rap.

Os meninos do funk não falam com gírias do rap nem usam roupas largas. Sua maior transgressão se chama "proibidão", um tipo de música que, segundo a polícia, faz apologia ao crime. "Já tivemos de parar bailes depois de cantarmos proibidões", diz Bisteca. Seu plano agora, depois de entrar em um circuito das casas como Corte Real, Rose Bombom e Cotia Hall, é conquistar outros Estados. Shows já estão marcados para Belo Horizonte e Goiânia.

Wagner Marinho de Santana, o Guga, 17 anos, conta que foi apresentado primeiro ao rap por Mano Brown. Mas, em uma das quebradas em que foi com o "padrinho", viu um MC funkeiro e decidiu mudar de lado. "Mas fazemos a versão light do funk."

Os garotos dizem que foram recrutados para o funk pelas festas. "O rap é mais para se pensar nos problemas. O funk é para se soltar", fala Marcos Alves dos Santos, 16 anos, o MC Furlan. Os próprios personagens de seu universo calculam que haja um rapper para cada dez MCs de funk. "São 3 mil funkeiros só aqui na zona sul", fala Rodriguinho.

A sensação de se tornarem celebridades instantâneas mexe com os garotos. Thiago da Silva, o Balão, 19 anos, diz que não quer trabalhar como empregado. E também não pensa em fazer uma faculdade, já que vê aí um mistério. "Alguma coisa errada tem. Todo mundo que eu conheço que faz faculdade acaba trancando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.