Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O fundo do poço

A doença psíquica pode ser combatida, o preconceito parece ser mais complicado

Leandro Karnal, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2019 | 02h00

Faz vários anos que li O Demônio do Meio-Dia – Uma Anatomia da Depressão (Cia das Letras). A obra virou um best-seller e foi considerada, pelo The Times, um dos cem melhores livros da primeira década do nosso século. 

O livro é grande e, mesmo assim, pequeno para tudo que deve abarcar. A narrativa é completa: inclui a radiografia da depressão do autor, a análise científica e médica e reflexões amplas. 

Citei a obra em palestras e em vídeos. Como leigo, pareceu-me muito boa. Isso bastou para que muitos enviassem perguntas sobre depressão para mim, um historiador! Suspeito que a abundância de consultas tenha origem na propagação do drama entre nós. 

Tenho insistido naquilo que aprendi com especialistas. Depressão não é frescura ou falta do que fazer. Solomon é enfático: levava uma vida produtiva e feliz até que, um dia, começou a ser atacado por uma tristeza profunda que esgotou sua vontade. Não conseguia usar o telefone, tomar um banho ou sair do quarto. Seu corpo virou chumbo. Não era tédio ou preguiça. Até então, o autor se declarara um homem muito dedicado ao trabalho. Temos muita compreensão para aceitar males físicos e pouca paciência para os psíquicos. 

O mal é forte. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima em 4,4% da população mundial afetada (dados de 2015, a situação pode ter se agravado). No Brasil, o número salta para 5,8 %. Isso representa uma cidade como São Paulo povoada só pelos atingidos pela doença. Somos campeões latino-americanos de depressão e de ansiedade. A mesma OMS estima que, em poucos anos, a depressão será a mais incapacitante de todas as enfermidades. 

A depressão pode levar ao suicídio. Entre 15 e 29 anos, retirar a própria vida é a segunda maior origem de óbitos. Nem todo suicida é depressivo e nem todo depressivo é suicida, porém, o caso grave vai provocando um vazio tão doloroso que, lentamente, começa a apontar a morte como fator de libertação. 

A depressão mata, este é o maior risco. A depressão provoca internações e incapacidades laborais, este é um dano enorme. A depressão causa uma infelicidade recorrente nas suas vítimas. Seja leve, moderada ou grave, ela é um obstáculo à vida plena. Pior: ela causa vergonha! Uma leucemia é uma doença gravíssima que desperta solidariedade entre quase todos os envolvidos. O deprimido quase sempre tem dificuldade de contar seu problema. Sempre parecerá ao leigo que é falta de vontade ou até falta do que fazer. “Um tanque de roupa suja resolveria”, quantas vezes já se ouviu essa frase infeliz. O deprimido luta consigo e com os outros e sente, nos olhares ao redor, a condenação implícita de muitos. Ser vítima da depressão é combater em muitas frentes.

Meu amigo Ricardo Krause é psiquiatra e me forneceu mais dados. A depressão maior altera até o quadro orgânico do cérebro. O mal pode aparecer muito cedo, antes dos 10 anos de idade. Depressão não diz respeito à quantidade de tristeza sentida; importa mais a qualidade do sentimento negativo. Por fim, ele ensinou que o especialista Aaron T. Beck batizou a tríade depressiva clássica: visão negativa de si, do mundo e do futuro. Eis o tripé da dor total. 

Vivemos em uma época na qual a infelicidade é considerada algo excepcional e evitável. Para todos nesta geração de redes sociais, só há sorrisos e alegrias. Nunca fomos tão relutantes em admitir o sentido trágico da existência. Assim, uma pessoa que tenha perdido alguém ou que passe por desemprego tem uma reação natural de tristeza. A fase de luto e seu desfile de lágrimas e angústias é natural. Estamos confundindo tristeza com depressão. Elisabeth Kubler-Ross estabeleceu que o luto clássico tem uma trajetória de cinco etapas: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Nem todos apresentam essa ordem e nem todos apresentam todos os sintomas. A notícia de que você tem um mal incurável ou a perda de alguém que você amava pode desencadear o ciclo do luto previsto pela pesquisadora suíça. A rigor, não se trata de depressão como doença psíquica. Dor com causa objetiva, dor que passa, dor que dilacera mas que vai ficando menor com o passar do tempo é tristeza, por mais terrível que seja. Depressão é outra coisa. Pode ter um gatilho ou não. Na maioria das vezes, piora sem acompanhamento profissional ou, em casos graves, sem medicamentos apropriados. Raramente, o indivíduo tem condições de sair da depressão sozinho.

Um dia, nos jardins da Rede Bandeirantes, o saudoso Ricardo Boechat contou-me sobre a depressão que sofrera (torno público porque ele a tornou antes). Atolado em trabalho, louvado em prosa e verso, bem casado e com filhos lindos, cheio de perspectivas positivas e alvissareiras, foi tomado por um incontornável sentimento negativo e depressivo. Homem inteligente, jornalista versado nas tragédias do mundo e pouco inclinado ao melodrama, sentiu-se engolfado pela doença. Falou-me muito da luta e do tratamento. Abracei-o, emocionado. Afirmei que não saberia o que dizer diante do drama. Ele sorriu e comentou: “Não precisa dizer nada, basta não julgar”. Outro amigo, padre Fábio de Melo, tornou conhecido outro mal que o acometeu: síndrome do pânico. A doença psíquica pode ser combatida, o preconceito parece ser mais complicado. Aprendi muito com Solomon, Boechat e padre Fábio. Depressão não é escolha, preconceito é. Conhecimento pode ajudar a superar ambos. Bom domingo para todos nós. 

Tudo o que sabemos sobre:
The Timesdepressãolivro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.