O frisson da primeira vez

Foi o grande acontecimento estético do cinemas brasileiro no ano passado. Se, por um lado, a vertente espírita arrebentou nas bilheterias e José Padilha, com Tropa de Elite 2, fez história como o maior êxito de todos os tempos do cinema no País, surgiram vários filmes colocando na tela a juventude. Rosane Svartman segue a tendência em Desenrola.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2011 | 00h00

O filme que estreia hoje nasceu de uma pesquisa da diretora sobre como ser solteiro. Ela criou um site - www.desenrola.com.br - para que apenas jovens pudessem participar e opinar. "O diálogo com o público jovem é muito importante e eu estou muito feliz de me inscrever com esses filmes, que trazem um sopro de originalidade e criatividade para o cinema brasileiro." Na trama de Desenrola, um grupo realiza uma enquete numa escola. O tema, a virgindade. Você já saiu com um garoto, já deu a "desejada", pergunta na cara dura o protagonista? Ele deseja essa menina, sua colega de aula. Ela está de olho no irmão da colega, um ano ou uma turma mais velho e o maior "galinha" do pedaço.

Todo esse linguajar que pode parecer chulo faz parte do cotidiano dos jovens que vão ver o filme. Ficar, dar. O filme de Rosane parece mais a típica comédia teen, em que a primeira noite e a perda da virgindade são os únicos temas que parecem interessar à juventude. "Em plena fase de pesquisa encontrei um livro da Unicef que diz que não existe questão mais importante para o jovem do que a descoberta da sexualidade. A construção da identidade passa por aí e a identidade - quem somos, o que queremos, como podemos atuar no mundo - é a base da cidadania."

O elenco jovem foi escolhido por meio de testes. "Quando se trabalha com jovens, não procuramos atores. procuramos os próprios personagens, aqueles que os assumem, mais do que representam." A exceção, entre a turma mais jovem, é Kaiky Brito, do elenco da Globo. "Em todas as enquetes que fizemos, com jovens do Rio, São Paulo e de outras cidades, perguntávamos sempre quem poderia ser o Rafa? Houve uma rara unanimidade. Kaiky era sempre o objeto de desejo de todas as garotas. Fomos ao Kaiky, ele estava disponível. Ninguém poderia ter feito melhor o personagem."

DESENROLA

Direção: Rosane Svartman. Gênero: Comédia (Brasil/ 2010, 90 minutos). Censura: 12 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.