O frevo de Flaira e o cupido de Nina

O frevo rasgado de Flaira Cardoso"Tenho que trabalhar", disse a pequena Flaira ao explicar por que tinha ficado, enquanto sua mãe já havia voltado para o Recife. Aos 10 anos a baixinha tem o que contar. Aos 7 anos já era musa mirim do Carnaval, dançando frevo no Recife. E fala sobre a "carreira" com maior desenvoltura, enquanto veste o figurino e tira o espelhinho da bolsa para passar um batom bem vermelho, antes de se apresentar no palco do Shopping Mueller."Quando eu era pequena - conta Flaira - minha mãe não me deixava ir ao carnaval, porque era perigoso, mas aí ela me levou para ver o Galo da Madrugada, eu comecei a me enrolar lá, todo mundo gostou, os jornalistas viram, saí no jornal, na televisão e me puseram como musa. Mainha viu eu dançando e disse que não sabia que sua filha dançava daquele jeito e deixou. Agora eu estou aqui, viajando".E já tem na ponta da língua aquele discurso pronto ensinado pelos adultos: "Ah, sim, a gente quer mostrar mais a dança que apresenta Pernambuco para o Brasil todo". Mas ela esquece uma parte e Érika complementa: "Lá no Recife o frevo só é dançado no Carnaval, então nós vamos mostrá-lo o ano todo". Flaira, Érika, Karla, Eduarda e Cíntia foram o grupo infantil da Companhia de Dança Fátima Freitas, que ganhou o Festival Meia Ponta na categoria de Danças Folclóricas.O Cupido gracioso de Nina BotkayA jovem Nina Botkay, de 13 anos, filha de pai francês e neta de húngaro, apresentou-se com a coreografia Cupido, de Alícia Alonso, conquistando a crítica e a platéia. É a primeira vez que ela participa do Festival de Joinville e diz que só sentiu sua importância ao chegar aqui."Já dancei essa coreografia muitas vezes. Ganhei quatro prêmios com ela", conta. Os principais foram o Cuballet, em janeiro e o Concurso do Conselho Brasileiro de Dança, no mês passado, no Rio". Nina pertence à Thalhe Escola de Ballet do Rio de Janeiro.Nina dança há sete anos. Seus pais são separados. O pai mora na França, mas veio vê-la dançar aqui em Joinville. Até pouco tempo ela estudava dança na escola de Eliana Karin, mas seis meses antes do festival trocou de escola e foi para a Thalhe, que tradicionalmente traz muitos bailarinos para competir no festival. Foi lá que ela começou a ensaiar essa coreografia com a qual já ganhou quatro primeiros lugares. Antes, já havia conquistado cinco primeiros lugares com Esmeralda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.