O fim está próximo

Mais e mais pessoas têm dito por aí que o mundo vai acabar em 2012, fim previsto pela Terceira Profecia Maia.

MARCELO RUBENS PAIVA, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

Já tem até site oficial, www.ofimdomundo.com.br, curiosamente patrocinado pela revista Um Dia de Esperança. Culpa do calendário Maia, que misteriosamente termina em 23 de dezembro de 2012.

Sinais de alerta foram emitidos: chuvas torrenciais em São Paulo, Angra e Niterói no começo do ano, terremotos na China e Chile, tsunami na Ásia, furacão Katrina, desastre ambiental no Golfo do México, que trocou a água azul do Caribe pelo petróleo.

O vulcão, que, além de um nome impronunciável, controla o ir e vir de todos os passageiros da Europa, poderia trazer o fim. Mas não seremos extintos por um orifício que expele magma que nem os noticiários das populações de outros planetas conseguem pronunciar.

Será no dia 31 de janeiro de 2012, quando 433 Eros, o segundo maior objeto próximo à Terra já registrado, pedregulho de 33 km da largura, passará perto? Ou em 15 de abril, centenário do naufrágio do Titanic, prenúncio da ira do planeta contra a modernidade?

Em 20 de maio de 2012 haverá um eclipse solar anular. Em 13 de novembro, um solar total. Nosso fim será às escuras?

Dia 27 de julho é a Abertura dos Jogos Olímpicos de Londres. Um meteoro gigante cairá durante a cerimônia, efeito especial catastrófico, incomparável, definitivo. Mais espetacular que o triplo carpado e o ursinho Misha, mascote chorão reproduzido pelo público no estádio dos Jogos de Moscou.

Ou chegará o Anticristo em 6 de novembro, eleições presidenciais dos Estados Unidos, que determinará que a guerra contra o terrorismo tem só uma saída: acabar com toda a espécie.

Em 31 de dezembro de 2012 expira o prazo do Protocolo de Kyoto. Nessa mesma noite, todas as fábricas e usinas atômicas abrirão as válvulas, todos os habitantes do planeta sairão com seus carros para dar um rolê e comemorar o fim das imposições à emissão de carbono, e os plantadores de soja queimarão a Amazônia com maçaricos.

2012 é um ano bissexto. Sim, o mundo só poderia acabar num. Como, com a inversão dos polos, o aquecimento do núcleo terrestre ou depois de uma tempestade solar? Prepare-se.

Muitos apostam na data 21 de dezembro, quando o Sol estará alinhado com a Via-Láctea. Receberemos um tipo de irradiação desconhecida vinda do centro da galáxia, que pode favorecer a atração de cometas, asteroides e garrafas pets do lixo cósmico em nossa direção.

O que fazer? Guardar estoque de água, comida enlatada, lanterna, travesseiros, roupas confortáveis, abridor de lata, um litro de conhaque, perfumes, xampu anticaspa, relógio de cordas, retratos da família, baralho, tabuleiro de War, clássicos literários e esperar.

Dispensável: lista telefônica, carregador de celular, cafeteira elétrica que necessita refil, estabilizador de voltagem e psicotrópicos, já que o fim de mundo será uma tremenda viagem. Protetor solar também é dispensável. Vamos todos fritar, mesmo.

O que fazer nos dias que nos restam? Deixar o cartão de crédito na gaveta? Melhor começar a gastá-lo hoje. Ainda há tempo. E esperar que as previsões estejam corretas.

Mandar cartas de despedida para todas as relações amorosas do passado, com balanços? Ou tuitar para todas o mesmo texto. O problema são os 140 caracteres permitidos. Não caberão as desculpas.

Visitar de um em um? Bem, a emissão de carbono dessa viagem não é mais uma preocupação. E nem precisa colocar o cinto, consertar a lanterna traseira ou renovar o extintor. Quem se interessará pela quantidade de pontos acumulados na carteira?

O euro pode ir à derrocada. O Irã, enfim, poderá enriquecer o urânio. A Coreia do Norte finalmente conseguirá lançar um míssil de longo alcance. Chávez pode tomar todas as emissoras de TV e instalar o seu socialismo bolivariano. Who cares?

E os xiitas e sunitas pararão de se explodir. Podem até fazer um tour por Israel, visitar o Muro de Lamentações, comer honek laker, liberar a visita de judeus a mesquitas e abraçar seus irmãos. Vamos todos nos extinguir, mesmo.

Dilma e Serra? Tanto faz. Licitação para a construção de estádios para a Copa de 2014? O mundo acabará antes. Neymar e Ganso? Continuarão promessas. Libertadores para o Corinthians? Me parece que não vai rolar. Podem parar as obras do metrô e da usina de Belo Monte.

Como se vestir? Por que não com aquele moletom surrado? E as mulheres não precisam marcar depilação, sobrancelha, pés e unhas. Relaxem.

Dispensem também remédios para colesterol. Talvez alguns analgésicos sejam úteis, dado o barulho que fará. E óculos escuros. Vai saber como será o clarão do céu.

Boa hora para ler Ulisses, de Joyce, A Montanha Mágica, de Thomas Mann, e a saga Em Busca do Tempo Perdido, de Proust - que, por sinal, contém o volume Sodoma e Gomorra.

E finalizar a jornada com Os Irmãos Karamazov, de Dostoievski, acompanhar as profecias de Ivan Fiodorovich: "Quando a humanidade, sem exceção, tiver renegado Deus (e creio que essa era virá), então cairá por si só, sem antropofagia, toda a velha concepção de mundo e, principalmente, toda a velha moral, e começará o inteiramente novo. Os homens se juntarão para tomar da vida tudo o que ela pode dar, mas visando unicamente à felicidade e alegria neste mundo. O homem alcançará sua grandeza imbuindo-se do espírito de uma divina e titânica altivez, e surgirá o homem deus. Vencendo, a cada hora, com sua vontade e ciência, uma natureza já sem limites, o homem sentirá assim e a cada hora um gozo tão elevado que este lhe substituirá todas as antigas esperanças no gozo celestial. Cada um saberá que é plenamente mortal, não tem ressurreição, e aceitará a morte com altivez e tranquilidade..."

Boa sorte. Nos vemos por aí.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.