O estúpido

O estúpido

Estúpidos são piores que saqueadores.Todos subestimamos o total de estúpidos em circulação

Marcelo Rubens Paiva, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2022 | 03h00

Em inglês, estúpida é a pessoa idiota, imbecil, burra. Em português, ganha a conotação de pessoa grossa, mal-educada, rude, boçal, tosca.

Uma autoridade pública é estúpida quando ameaça “só não te estupro porque você é feia”, com jornalistas se ofende “pergunte à sua mãe”, com homossexuais ao replicar “você tem maior cara de boiola”, com negros se pergunta “quantas arrobas você pesa”, com asiáticos ao afirmar “tudo pequenininho aí” e “esse é o livro dessa japonesa, que eu não sei o que faz no Brasil”.

Expôs xenofobia, homofobia, racismo e sexismo no exercício do poder e defende que liberdade de expressão é álibi para insultos.

Ideologicamente, suas convicções são claras, resultado da formação tóxica contaminada por instrutores militares agentes da paranoia da Guerra Fria. Saudosista e delirante, acredita que em 2020 o País ainda está à beira do socialismo.

Nelson Rodrigues escreveu: “Os idiotas vão dominar o mundo não pela capacidade, mas pela quantidade”. 

Pessoas estúpidas são piores que saqueadores. As cinco leis de Carlo Cipolla, professor de história econômica que passou a infância sob as asas do fascismo e lançou As Leis Fundamentais da Estupidez Humana (1976), são:

1. Sempre e inevitavelmente, todos subestimam o número de indivíduos estúpidos em circulação.

2. A probabilidade de uma determinada pessoa ser estúpida é independente de qualquer outra característica dela.

3. Uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa perdas a outra pessoa ou a um grupo de pessoas enquanto não obtém nenhum ganho e até possivelmente incorre em perdas. Ela se difere de um bandido, que causa mal a outros, mas em benefício próprio.

4. Pessoas não estúpidas sempre subestimam o poder prejudicial de indivíduos estúpidos. Em particular, as pessoas não estúpidas esquecem constantemente que em todos os momentos e lugares, e sob quaisquer circunstâncias, lidar ou se associar a pessoas estúpidas sempre acaba sendo um erro caro.

5. Uma pessoa estúpida é o tipo mais perigoso de pessoa.

Apontar para uma bandeira do Japão e lamentar que mancham nossa bandeira de vermelho, que tônica tem quinino, então mata covid, ou provar o magnetismo da vacina ao grudar uma moeda na pele, garantir que nazismo é de esquerda e que na ditadura que era bom, é uma mistura de ignorância e má-fé. Essa gente contamina as redes sociais e as urnas.

Recentemente, Bolsonaro soltou uma que não faz sentido e poderia ter sido corrigida pelo ex-ministro astronauta Marcos Pontes: “Podemos viver até sem oxigênio, mas jamais sem liberdade de imprensa”. É a burrice a serviço da ideologia.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.