O embate entre a razão e o espírito

Jostein Gaarder conta uma história de amor nos tempos de internet

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2010 | 00h00

O autor. Filosofia deve ser tratada com sensualidade        

 

 

 

 

 

Antes de embarcar para São Paulo, onde chega hoje para a 21.ª Bienal Internacional do Livro, o norueguês Jostein Gaarder estudou a pronúncia em português de seus títulos já publicados aqui, a começar pelo maior sucesso, O Mundo de Sofia, que, no início dos anos 1990, o tornou mundialmente conhecido. "É o mínimo que posso fazer por meus leitores", justificou ele, que vem lançar mais um candidato a best-seller, O Castelo nos Pirineus, tema de seu primeiro encontro com os leitores na Bienal, amanhã, às 19 horas, no Salão de Ideias. A feira abre suas portas para o público hoje, a partir das 10 horas.

O romance, de cunho filosófico, mostra o reencontro de Steinn e Solrunn, que viveram uma intensa paixão nos anos 1970. Hoje, cada um segue uma crença - ele, climatologista, só valoriza a razão; já Solrunn, tornou-se religiosa, acreditando na transcendência do espírito. Novamente Gaarder, que completou 58 anos no domingo, trata a filosofia não como algo cerebral, mas como questão de sensualidade. "A mente não é mais importante que o corpo", acredita ele, que conversou com o Estado por telefone, de Oslo.

Terminada a leitura de O Castelo nos Pirineus, é possível concluir que você acredita em histórias de amor?

Sim, com certeza, o amor caminha paralelo ao ocultismo no romance. Mas devo acrescentar que não acredito em histórias amorosas que brotam espontaneamente: é como uma amizade, que se constrói, que se molda com o passar do tempo. Tomo a relação com minha mulher como exemplo, pois nos conhecemos jovens (eu tinha 19 anos) e, desde então, vivemos juntos. Talvez por isso eu acredite em histórias de amor.

Também a lembrança é um tema recorrente, não?

Sim, e como somos traídos e também como traímos nossas lembranças, criando fatos (propositalmente ou não) que não correspondem com o que foi realidade. É algo semelhante a um interrogatório policial - mesmo que a testemunha narre com exatidão, os homens da lei sempre desconfiam do depoimento. É o que mostro no romance, com dois personagens tão distintos: enquanto Steinn é racional, Solrunn é uma mulher que acredita na transcendência, daí as lembranças de cada um serem tão distintas, apesar de tratarem do mesmo assunto. A trama está relacionada com um livro que, acredito, é muito conhecido no Brasil, O Livro dos Espíritos...

Sim, de Alan Kardec.

Esse mesmo. Uma obra publicada na França no século 19 e que, pelo que sei, ainda provoca (fala em português) "revelações espíritas" em seu país, certo? É por isso que acredito que meu romance será bem compreendido pelos brasileiros. Na Noruega, esse tipo de crença vem aumentando, com novas fronteiras entre ciência e fé. A religião torna-se cada vez mais viva.

Filosofia e ciência têm se tornado mais popular?

Com certeza. Continuo espantado com o sucesso de O Mundo de Sofia, já traduzido para 55 idiomas. Eu não tinha noção de como minhas preocupações tocavam tantas pessoas. O mistério continua interessando e é por isso que entendo Solrunn, minha personagem, e suas certezas sobre a existência de uma vida em outra dimensão.

Por falar em O Mundo de Sofia, o livro tornou-se um divisor em sua carreira. Escrever tornou-se mais difícil depois de tanto sucesso?

Na verdade, não, porque meu maior desafio já havia sido vencido, que foi publicar O Dia do Curinga, em 1989. Ganhei um importante prêmio norueguês e me provocou a necessidade de apresentar algo sobre filosofia que fosse mais acessível aos jovens. Dois anos depois, surgiu O Mundo de Sofia e a consagração mundial, que eu não esperava. Aliás, nem meu editor norueguês, que vacilou antes de publicar o livro (risos). Por isso que considero os dois títulos igualmente decisivos. Foram dois momentos em que percebi a importância conferida pelos leitores à filosofia, considerada importante, mas de difícil acesso. Era preciso estabelecer uma ponte.

Ainda sobre O Castelo nos Pirineus, é interessante o uso da tecnologia, com os dois personagens se reencontrando por e-mail e reacendendo o que se perdeu ao longo dos anos.

O romance utiliza uma estrutura antiga, que é o amor epistolar, mas adaptado às novas tecnologias. O resultado foi um incremento na velocidade da relação, pois hoje é possível manter uma troca de mensagens em poucos minutos e não mais em dias, como antigamente.

Se você escrevesse O Mundo de Sofia hoje, as questões da menina seriam diferentes?

Muitas seriam as mesmas, mas certamente eu incluiria o debate sobre como manter a vida sustentável em nosso planeta. As questões ecológicas e climáticas teriam mais importância.

 

TRECHO

"Não dissemos uma palavra no caminho. Sobre aquilo, digo. Falamos de tudo, mas daquilo não. Tal como antigamente. Não fomos...

...capazes de nos posicionar quanto ao acontecido. E assim nós fomos para o brejo, talvez não você enquanto você, nem eu enquanto eu, mas nós dois enquanto nós dois. Não conseguimos nem mesmo trocar um boa-noite. Lembro que passei a última noite no sofá. E me lembro do cheiro do cigarro que você fumava sentado no outro cômodo. Através da parede e da porta fechada, cheguei a ver a sua cabeça inclinada".

 

PROGRAMAÇÃO

Com aproximadamente 1.100 horas de programação até o dia 22, a Bienal oferece opções imperdíveis. Veja algumas deste fim de semana:

Hoje

16 h

Debate sobre Monteiro Lobato, com Ignácio de Loyola Brandão, Lygia Fagundes Telles, Tatiana Belinky, Francisco Mirins e Ruth Rocha (Palco Literário)

18 h

Regina Duarte interpreta obras literárias (Palco Literário)

19 h

Conversa com Dacre Stoker, sobrinho-bisneto do criador de Drácula, Bram Stoker (Salão de Ideias)

Amanhã

15 h

A atriz Beth Goulart e o pesquisador norte-americano Benjamin Moser discutem Clarice Lispector (Salão de Ideias)

17 h

Conversa com Dacre Stoker, sobrinho-bisneto do criador de Drácula, Bram Stoker (Salão de Ideias)

Domingo

11 h

Os escritores Luiz Eduardo Matta e Ana Cristina Melo discutem literatura juvenil (estande da CBL)

13 h

Ziraldo fala de seus principais personagens (Salão de Ideias)

17 h

O irlandês John Boyne comenta sua obra O Menino do Pijama Listrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.