Toninho Vaz/Acervo Pessoal
Toninho Vaz/Acervo Pessoal

O drama da casa de Darcy em Maricá

Projetada por Oscar Niemeyer, construção era das menos conhecidas do arquiteto e seu teto ruiu há duas semanas

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

O escritor e jornalista Toninho Vaz costumava passar verões lá naquela casa de praia com a família. Maricá era um paraíso a 50 km do Rio de Janeiro, na divisa litorânea com Niterói e com 46 quilômetros de costa. O anfitrião não podia ser melhor: o antropólogo e bon vivant Darcy Ribeiro (1922-1997). Mas, dia desses, voltando ao local mais de duas décadas depois, Toninho viu a casa de praia em ruínas. Doeu. Resolveu fazer uma crônica em seu blog sobre como foram bons aqueles verões.

"Aconteceu dois anos seguidos, acho que 1989 e 1990. Naná e eu juntamos as crianças e o cachorro e fomos passar um mês na casa de praia de Darcy Ribeiro, em Maricá. Em pleno verão. Ele preveniu: "Deixei separados na adega os vinhos que você PODE beber. Os outros são sagrados". Ficou combinado que ele apareceria num fim de semana para um almoço típico praieiro. E isso aconteceu num domingo, quando ele surgiu com Tizuka Yamazaki para aproveitar a moqueca", contou Toninho em seu blog.

O relato, entretanto, trazia um item peculiar: Toninho lembrava que a casa de praia que fora de Darcy Ribeiro tinha sido projetada por ninguém menos que Oscar Niemeyer. E que a residência nem sequer estava catalogada entre os projetos do famoso arquiteto de Brasília como um bem a ser preservado. A revelação causou rebuliço.

"A denúncia deu resultado. Além da revista do jornal O Globo, que fez matéria no domingo, 13, com o sugestivo título Esqueceram de mim, o jornalismo da TV Record também se interessou pelo assunto. Eles me levaram hoje (sábado) até a Praia do Cordeirinho, onde está o que sobrou da casa, para gravar depoimento que vai ao ar no Jornal da Record", festejou Toninho Vaz, que é autor do livro O Bandido Que Sabia Latim (Editora Record, 2001), sobre a vida e a obra do poeta Paulo Leminski.

O Estado obeteve a informação de que a casa agora pertence à prefeitura de Maricá que, por meio de um processo de desapropriação, teria pago à cunhada de Darcy (Jacy Ribeiro) a quantia de R$ 140 mil. E a ideiaé transformá-la na Casa do Professor, sob responsabilidade da Secretaria de Educação do município, que promete acelerar as obras de restauração. "Eu não sabia, mas o teto ruiu há algumas semanas", comentou Vaz.

O plano de Niemeyer para a casa de praia é desconcertantemente simples: uma construção em forma de ferradura cujo centro se volta para o mar, e em seu núcleo há uma piscina. Não tem muros e há uma ventilação que busca aproveitar a brisa marítima conduzida pelo interior. "Oscar Niemeyer desenhou uma oca cortada ao meio e voltada para o mar, projeto redondo como a piscina que completava o círculo da construção.

Em cada extremidade do semicírculo, uma entrada ampla de ventilação, formando um corredor até atingir o outro extremo, onde estava a cozinha, passando por dois quartos e uma sala. Toda branca, caiada", escreveu Toninho Vaz. "Durante o dia, calor de rachar, à noite uma coberta para se proteger do frio provocado pela ventilação natural. Se o vento estava incomodando, bastava fechar uma porta como se fosse uma eclusa. A mesa de refeições ficava no lado de fora, ligada com a cozinha por uma janelinha na parede. Coisa de gênio."

Toninho Vaz postou em seu blog várias fotos do seu álbum de família. Uma delas, feita num domingo, mostra Darcy despreocupado, tomando seu café na sala, "logo após uma moqueca que preparei com gosto, na qual derrubamos três garrafas de vinho e fizemos um recital de poesia". O antropólogo se preparava para ir a Curitiba lançar o livro Confissões, sua autobiografia, e "escalou" o amigo como uma espécie de batedor: "Você, jornalista curitibano, vai na frente preparar a minha chegada. Vamos tentar criar uma agenda de encontros com a imprensa", disse Darcy.

E assim foi. Uma semana depois deste domingo, Vaz seguia para Curitiba, onde foi organizada uma noite de autógrafos na livraria Ghignone da Praça Osório. "Quando chegou ao mezanino, no alto da escada, Darcy falou para o atento José Ghignone, o livreiro, quase em clima de conspiração, olhando uma pequena multidão logo embaixo: "Lugar bom para se fazer um discurso!"".

Segundo o escritor, Darcy discursava abertamente, em seu estilo engajado: "As elites brasileiras são cruéis, elas asfixiam as massas mantendo-as na escuridão da ignorância. As escolas não cumprem com o papel de educar e preparar os meninos do Brasil. Só vamos acabar com a violência quando resolvermos a questão da Educação".

"Parece que foi ontem. Isto tudo para dizer que a casa, que nunca foi considerada parte do acervo do Niemeyer, está se acabando à beira-mar, abandonada e sem manutenção. Uma joia", postou o jornalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.