O domingo afetivo de Maria

Depois de dois anos, chega o belo documentário sobre o autor que ama as mulheres

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2011 | 03h09

Quando Domingos abriu a etapa carioca do É Tudo Verdade de 2009, em março daquele ano, o próprio organizador do evento, Amir Labaki, apresentando o documentário de Maria Ribeiro sobre Domingos Oliveira, lembrou quanto o ator e diretor (de teatro e cinema) foi importante para sua geração. E Labaki acrescentou que a obra - felizmente ainda incompleta - de Domingos oferece o testemunho de um homem, ou de um artista que ama demais.

Domingos ama as mulheres, o cinema e o teatro, a vida. Maria Ribeiro, mulher do ator Caio Blat, é atriz e agora também diretora. Ela apareceu em filmes de Domingos Oliveira. Foi ao ensaiar para uma peça, na deliciosa bagunça da casa dele, que Maria fez a descoberta definitiva de que representar era sua praia. Ela ama Domingos e seu documentário é a expressão desse amor. Um retrato afetivo que vem se somar hoje, mais de dois anos depois, a outro documentário sobre um grande ator brasileiro, que também está estreando nesta sexta-feira.

Eu, Eu, Eu, José Lewgoy retrata o vilão das chanchadas da Atlântida - e o grande carrasco da geração do repórter, já que Lewgoy encarnava, com sua persona ameaçadora, o agente da repressão que perseguia Paulo José em A Vida Provisória, um filme cult de Maurício Gomes Leite. Paulo José foi o ator dos primeiros filmes de Domingos e até hoje se mantém ligado a ele. É possível construir assim pontes sobre esses documentários que pedem para ser vistos.

O próprio Domingos observa, abaixo, que nenhuma biografia, seja livro ou filme, consegue dar conta de uma pessoa. É sempre um recorte, um olhar sobre. Maria vinha filmando Domingos (com uma mini DV) desde 2002. Quando ele lhe perguntava o que ia fazer com aquilo, ela dizia - um curta. Em 2005, Domingos sugeriu que ela o esticasse para longa. No bate-papo com a autora, diz que o título poderia ser O Domingos de Maria. É bem do que trata. Um retrato afetivo, que tenta dar conta da complexidade de um homem (e artista) que é múltiplo.

Você precisava ser jovem, em 1967, para entender o significado da explosão de Todas as Mulheres do Mundo - e de sua mítica estrela, Leila Diniz. Num cinema brasileiro (Novo), Domingos ia contra a corrente, falando de amor, num momento em que outros eram alegóricos, barrocos e privilegiavam a política. A dele, era a revolução do amor. Domingos depois exagerou na dose com seus filmes de baixo orçamento e alto astral, que viraram manifestos. O BOAA ia salvar o cinema brasileiro? Era ideal para Domingos, mas Juventude, bem escrito, com diálogos ótimos, não tem um bom roteiro. Não importa. O bom, o melhor de Domingos, é restituir o personagem na sua complexidade. Maria não sabe, mas ela fez outras pessoas amarem Domingos de novo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.