O diretor Clint, em seu início

Whitney Brown

UBIRATAN BRASIL, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2012 | 02h11

16H10 NA GLOBO

(The Greening of Whitney Brown). EUA, 2011. Direção de Peter Skillman Odiorne, com Sammi Hanratty, Brooke Shields, Aidan Quinn.

Garota mimada é obrigada a se mudar da Flórida com a família por conta de dificuldades financeiras. No novo endereço, sentindo-se um peixe fora d'água, ela faz amizade com um cavalo e resolve viajar de volta à sua antiga casa. Aventura juvenil. Inédito, colorido, 98 min.

Confidências à Meia-Noite

22 H NA CULTURA

(Pillow Talk). EUA, 1959. Direção de Michael Gordon, com Rock Hudson, Doris Day, Tony Randall, Thelma Ritter, Nick Adams.

Decoradora de interiores e compositor vivem às turras porque compartilham a mesma linha telefônica - ela precisa para trabalhar e ele usa para intermináveis paqueras. Divertidíssima diversão, primeira e melhor comédia da série que Rock Hudson fez com Doris Day. Ganhou o Oscar de roteiro, batendo naquele mesmo ano de 1959 um clássico de Billy Wilder, Quanto Mais Quente Melhor. Ao brincar com ambiguidades sexuais, o filme ironiza o que na época era um segredo: a sexualidade de Hudson que, embora gay, não saía do armário para não prejudicar a carreira. Reprise, colorido, 105 min.

O Pimpinela Escarlate

23 H NA REDE BRASIL

(The Scarlet Pimpernel). Inglaterra, 1999. Direção de Patrick Lau, com Daniel Rous, Pavel Kríz.

Na França do século 18, aristocrata leva uma vida dupla. Ao mesmo tempo que se faz passar por dândi efeminado, o herói leva uma vida secreta, combatendo a Revolução Francesa. O filme é inspirado no romance da baronesa Orczy, que já havia sido vertido para o cinema com Leslie Howard e Merle Oberon em 1934. Também houve uma versão para TV nos anos 1980. Boa diversão. Reprise, colorido, 90 min.

Nascido em 4 de Julho

2H35 NA BAND

(Born on the Fourth of July). EUA, 1989. Direção de Oliver Stone, com Tom Cruise. Raymond J. Barry, Carolina Kava, Josh Evans, Willem Dafoe.

Drama que conta a história de um veterano da Guerra do Vietnã. Nascido na data da independência americana, ele é um jovem patriota que se alista como voluntário para combater no Sudeste Asiático, convencido de que estará defendendo o mundo livre. Durante os combates, ele mata acidentalmente um companheiro de batalhão e depois fere a espinha, ficando paralítico. De volta à América, ele descobre as mentiras sobre a guerra e se transforma em um militante pacifista. Inspirado na história de Ron Kovic, que serviu de consultor, o filme ganhou Oscar de direção e montagem. Pomposo na época de lançamento, envelheceu um pouco, mas ofereceu a Cruise a chance de representar um papel sério. E ele se saiu bem. Reprise, colorido, 144 min.

O Fora da Lei

4H10 NA REDE BRASIL

(The Outlaw Josey Wales). EUA, 1976. Dirigido e interpretado por Clint

Eastwood, com Sondra Locke, Bill McKinney.

Logo após o término da Guerra Civil americana, pacato fazendeiro se transforma em um cruel justiceiro dos Confederados para vingar o massacre de sua família por um grupo de criminosos aliados ao Exército da União. Segundo faroeste dirigido por Eastwood - veio depois de O Estranho sem Nome e antes de seus primeiros grandes longas, como O Cavaleiro Solitário e Os Imperdoáveis. O titular desta coluna lembra que, na trama, Eastwood/Josey Wales tromba com personagens como os interpretados por John Vernon e pelo Chief Dan George - de Pequeno Grande Homem, o belo western desmistificador de Arthur Penn com Dustin Hoffman. O mais interessante no roteiro coescrito pelo futuro diretor Phill Kaufman, de Os Eleitos e A Insustentável Leveza do Ser, é que transforma esses personagens numa espécie de coro grego que comenta a trágica odisseia de Josey Wales. Programão, apesar do horário. Reprise, colorido, 135 min.

TV PAGA

Pink Floyd - The Wall

22 H NO MAX

(Pink Floyd - The Wall). Inglaterra, 1982. Direção de Alan Parker, com Bob Geldof, Christine Hargreaves,

James Laurenson, Bob Hoskins.

Grande sucesso nos cinemas, foi exibido novamente há dois anos, na Mostra de Cinema de São Paulo, que homenageou Alan Parker. Inspirado no álbum do Pink Floyd, o filme é considerado o mais longo e depressivo videoclipe da história do cinema. Isso não significa que não seja também brilhante, com imagens - muitas delas animadas por Gerald Scarfe - que colocam na tela o colapso mental de um astro do rock. Mesmo assim, as letras das canções impressionaram figuras renomadas como o escritor Jorge Luis Borges que, fascinado, repetia diversas frases do filme. Reprise, colorido, 99 min.

Trapaceiros

0 H NO TELECINE CULT

(Small Time Crooks). EUA, 2000. Dirigido e interpretado por Woody Allen, com Tracey Ullman, Hugh Grant.

O filme traz um diálogo bem-humorado de Allen consigo mesmo, pois ele volta a Um Assaltante Bem Trapalhão, um de seus primeiros filmes. E, por isso mesmo, interessa mais provocar riso que meditação. Allen vive um bandido que, na prisão, era chamado de "cérebro". Para fazer jus ao apelido, ele reúne um bando para assaltar um banco, por um túnel cavado no imóvel vizinho, uma pizzaria que foi à falência. Reprise, colorido, 95 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.