Ó Dilma!

Deixa ver se eu entendi. Querem liberar a maconha e proibir a pesquisa histórica, mesmo para fins terapêuticos. É isso? Nacionalizar a maconha e privatizar o passado? Uma coisa não teria nada a ver com a outra se a atitude comum do brasileiro em relação à sua história não se parecesse com a letargia e a despreocupação que - dizem, eu nunca provei - caracteriza o barato da maconha. Agora mesmo, pode-se imaginar que muita gente marchará pelo direito de fumar maconha sem culpa, no que estará com toda a razão, mas não se prevê nenhuma grande manifestação popular contra a proposta de proibir para sempre o acesso a certos documentos históricos, com faixas dizendo "Queremos saber tudo sobre a guerra do Paraguai". E no entanto o direito de conhecer o passado sem restrição deveria ser tão natural quanto o direito a um baseado descriminalizado. Não bastasse os militares sentados em cima dos dados e das dúvidas sobre o período da repressão vem essa ideia do segredo eterno para sonegar ainda mais à nação sua própria biografia. O objetivo é concluir que o passado não existiu e não se fala mais nisso. A presidente, dizem, aceitou a ideia do Sarney e do Collor, logo do Sarney e do Collor, contrariando o que deveria ser o seu instinto. Ó Dilma!

Luís Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2011 | 00h00

Alma brasileira. No recém-lançado CD Alma Lírica Brasileira a cantora Mônica Salmaso não é acompanhada por Nelson Ayres no piano e Teco Cardoso em vários sopros. Canto e acompanhamento não é bem o que eles fazem. Os três mesclam seus instrumentos - a voz límpida da Mônica, certamente a nossa melhor cantora, o piano do Ayres e as flautas e os saxes do Cardoso - e o que se ouve é a colaboração de três músicos excepcionais entremeando-se e completando-se de uma maneira, que eu saiba, inédita. O lirismo dominante não exclui coisas como Samba Erudito do Paulo Vanzolini e A História de Lili Braun do Chico e do Edu, e quando é preciso um terecoteco a própria Mônica empunha um tamborim ou uma frigideira, mas lá estão uma definitiva Derradeira Primavera de Tom e Vinicius e a inevitável Melodia Sentimental do Villa-Lobos, talvez uma suma da alma brasileira. Extraordinário também é o uso que Teco Cardoso faz do sax-barítono, um instrumento que até agora pouco frequentava a música brasileira. Imagine um lamentoso Trem das Onze do Adoniran Barbosa com o sax barítono fazendo o contraponto e você terá uma ideia dos raros prazeres deste disco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.