O difícil trabalho de ser David Sedaris

Escritor lança nova coletânea de ensaios em que diverte ao falar de si próprio - e de uma visão bastante pessoal de mundo

MARK ATHITAKIS , NEWSDAY, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2013 | 02h09

Ser engraçado fez de David Sedaris um homem feito. Pode ser estranho, ou mesmo não muito ético, falar dessas coisas. Avalie o livro, dizem aos críticos, e não o autor ou o quanto ele vende. Mas o sucesso de Sedaris tornou-se uma parte inevitável de sua obra. Cada best seller lhe garante uma nova turnê de lançamento, lhe propicia férias em algum novo lugar - ou mesmo uma nova casa. E, em cada novo momento, ele vai observar as idiossincrasias de si próprio e seus vizinhos, tema que lhe rende o posto de principal humorista das letras na América.

Quase duas décadas depois de sua estreia, Barrel Fever, ele não parou mais. Let's Explore Diabetes With Owls, seu oitavo livro (lançado nos EUA pela Little, Brown and Company), está repleto de histórias em que Sedaris é vítima de novas circunstâncias. Aqui está ele, falando sobre a Austrália: "É o Canadá de biquíni, ou assim parece de cara". E o que dizer da irremediavelmente anti-higiênica China, onde a nota de avaliação na vitrine "é uma cara feliz, virada do avesso"?

Um dos motivos do sucesso da obra de Sedaris - e o que faz dela tão eficiente e engraçada - é o fato de que sua resposta emocional às situações, uma mistura de surpresa, ironia e compaixão, permanece autêntica. Seu estilo de humor descarta os sentimentos e os substitui por um humor cortante, capaz de achar graça em um taxidermista trabalhando em cabeças humanas ou então em tentativas de assalto. "Eu sempre tive um olhar especial para homens que parecem arruinados", ele escreve no melhor ensaio desta nova coletânea, A Guy Walks Into a Bar Car, relembrando sua atração por alcoólatras caminhando por estações de trem.

Em outro texto, fala de suas tentativas frustradas de criar tartarugas quando criança - ao que parece, não dá para replicar a água marinha acrescentando sal à água filtrada. Sua família, claro, permanece a força motriz por trás das mais engraçadas de suas histórias - e seu pai continua um cabeça dura, insistindo que o filho deve fazer uma colonoscopia.

Assim, o trabalho de ser David Sedaris, escritor de humor de sucesso, significa estar sempre procurando crescer, mas nunca conseguindo. Mande ele ao dentista, à Coreia do Sul - e ele trará de volta uma história sobre como não conseguiu atender as expectativas e comportar-se como qualquer adulto do lugar. Mas o trabalho exige que ele ao menos tente. Em sua nova casa no campo inglês, com pilhas de lixo se acumulando do lado de fora, ele sai pela rua catando a sujeira. "Qual significa minha vida tinha antes disso? Certamente havia algo a que eu me dedicava", ele escreve, como se não soubesse a resposta. A que se dedicou? A escrever. E, a cada pedaço de lixo pego no chão, junta material para mais outro livro engraçado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.