O diário íntimo de Alain Cavalier

A Mostra de São Paulo tem sido o foro de quem segue a obra do diretor francês Alain Cavalier. No ano passado, o evento exibiu o longa documentário mais recente do autor - Irène. Em edições anteriores, foram exibidos Vidas e Cine-Fragmentos. Cavalier é o homenageado internacional do 15.º É Tudo Verdade.

, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2010 | 00h00

Sua obra documentária não se assemelha à de nenhum outro diretor. Ele filma em tom confessional, como se fosse um diário íntimo, mas o pessoal, em seu cinema, não tem a mesma dimensão que assume na obra de outros diretores. Sua trajetória também é única.

Veja também

Trailer. Veja cenas de alguns filmes do É Tudo Verdade em

O primeiro longa - de ficção - data de 1962, mas embora surgido em plena nouvelle vague, Paixões e Duelo, com Romy Schneider, não o vinculou ao movimento. A política deu o tom de Terei o Direito de Matar?, com Alain Delon, de 1964, um dos raros, na época, a tratar abertamente da Guerra da Argélia.

Após A Chamada do Amor, com Catherine Deneuve, adaptado de Françoise Sagan, ele se desiludiu com o cinema comercial e se orientou para o experimentalismo. Fez o rigoroso Thérèse, ainda de ficção, em 1986. Descobriu os "carnets intimes" e tocou o sublime em Irène, evocando sua mulher, Irène Tunc, que morreu num acidente de carro. O cinema documentário de Cavalier, confessional e exigente, será uma grande descoberta. / L.C.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.