O dia em que Paul McCartney morreu

ENQUANTO ELE NÃO VEM

Lúcio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2010 | 00h00

Nesta semana fomos atingidos por fortes rumores de shows de Sir Paul McCartney no Brasil, em novembro, corroborados por confirmações argentinas e chilenas.

Enquanto a história da turnê do ex-beatle não desembaça, é inevitável, pelo menos para mim, não lembrar de outro rumor envolvendo o ex-baixista da banda mais famosa de todos os tempos. A de que, bem ele, Paul McCartney, parceiro de John Lennon, um dos nomes mais conhecidos do planeta... morreu em 1966.

E que este aí que viria para o Brasil é um sósia forjado para assumir seu lugar logo após sua morte. A história, que já rendeu filme, livros, documentários e teses de mestrado, é mais ou menos assim.

No auge dos Beatles, em 1966, Paul McCartney foi tragicamente decapitado em um acidente de carro no interior da Inglaterra.

Para abafar o caso, não chocar o mundo e ainda salvar os Beatles de um final prematuro, executivo das gravadoras Capitol e EMI deram uma "sumida" com a banda, esfriaram suas atividades e arranjaram um sujeito parecidíssimo com Paul, um tal de William Campbell, que não fazia muito tempo havia ganhado um concurso de sósias qualquer sobre os Beatles. E a vida voltou ao "normal". Inconformado com a farsa, John Lennon nunca engoliu a história. E passou a espalhar pistas da morte do parceiro pelas famosas capas dos álbuns lançados pelos Beatles.

Três anos depois, a morte de Paul "vazou" nos Estados Unidos, espalhada por um DJ de uma rádio da cidade de Detroit. Russell Gibb soltou a bomba dizendo que tinha fontes seguras e de dentro da indústria musical. E o caso, fato ou ficção, entre beatlemaníacos ou não, virou obsessão.

Entre as muitas obras geradas pelo rumor, uma das mais bacanas é o filme alemão Paul Is Dead, que passou na Mostra Internacional de São Paulo em 2000. O diretor Hendrik Handloegten, tomando como verdade a conspiração pop mais famosa do mundo, ambientou a ação num bairro da periferia de Berlim, quando um menino de 12 anos, fã dos Beatles, descobre a "morte" de Paul e passa a ver pistas da farsa por todos os lugares. A trama se passa em 1980. Por quê? Porque foi o ano do assassinato de Lennon...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.