O desafio de falar com professores e adolescentes

Com o tema Leituras Jovens do Mundo, a Jornada de Passo Fundo fez uma imersão no universo do adolescente. A ideia era ver como ele se comunica e como ele recebe as informações para evitar que um jovem que foi apresentado à literatura quando criança não se distraia no caminho. Para isso, acredita Tania Rösing, coordenadora do evento, os professores são os principais aliados. Mas eles precisam estar interessados e preparados. Entre os debates mais concorridos, o Corpo, Sexualidade e Afeto, com Diana Corso, Laura Muller e Mirian Goldenbeg. Vale comentar que Muller, sexóloga do Altas Horas, participou também da programação juvenil e recebeu perguntas anônimas sobre homossexualidade. Um assunto do cotidiano, mas para o qual muitos professores ainda não estão prontos. Porém, quando o tema pendia para algo mais teórico, como convergência de mídias, o público adulto (cerca de 85% dele formado por professores) ficava disperso. "Estar aqui não garante a transformação. Precisa de estímulo, que é o que fazemos, e precisa de motivação." Para o aluno e para o professor. / M.F.R.

O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2013 | 02h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.