O cotidiano nas lentes de German Lorca

O Museu de Arte Contemporânea da USP exibe a partir desta noite uma ampla seleção de fotografias de German Lorca, que contempla duas questões centrais do modernista ao longo de mais de três décadas de produção: um olhar cuidadoso sobre o cotidiano e a observação atenta das profundas transformações por que passou a paisagem paulistana desde os primeiros trabalhos realizados por esse pioneiro da fotografia moderna no País, ainda na década de 40. São 38 imagens que contextualizam as principais questões abordadas pelo fotógrafo, ajudam a confirmar seu papel de destaque no cenário artístico paulistano da segunda metade do século 20 e marcam o início de um projeto de aquisição de obras para a coleção de fotos do museu. Além de divulgar a obra de Lorca para um público mais amplo, a exposição permite ainda um interessante encontro entre seu trabalho e o de outro mestre da fotografia brasileira, Thomas Farkas, um dos três artistas contemplados na exposição ArteJornalismo (ao lado de Antonio Costela e Hélcio Deslandes). Farkas - que está representado com sua produção fotográfica e cinematográfica - e Lorca participaram juntos do Foto Cine Clube Bandeirante no final da década de 40 e, junto com figuras como Geraldo de Barros, desenvolveram as bases do que viria a ser chamado de a fotografia moderna brasileira. Não à toa as exposições foram escolhidas como plataforma de lançamento para o relançamento do livro A Fotografia Moderna no Brasil, de Helouise Costa e Renato Rodrigues, a ser realizado em 16 de setembro. A obra, lançada originalmente em 1995 foi revista e ampliada. Dos jogos de sombra e luz que tanto marcam sua fotografia, Lorca redescobre a paisagem, com um olhar atento para pequenos absurdos e ironias. A exposição, que reúne imagens clássicas de Lorca como Fumante, Oca, Ícaro e Cadeira com Guarda-Chuva, segue apenas até a década de 70 (fechando o foco sobre o período mais importante de sua produção), mas aos 82 anos o fotógrafo continua na ativa, dando prosseguimento a investigações sobre a paisagem urbana, como no ensaio que realiza há anos sobre o Parque Ibirapuera. Nos últimos anos, Lorca vem sendo objeto de uma série de homenagens, em eventos como a Bienal de Fotografia de Curitiba, o Mês da Fotografia e o Prêmio Porto Seguro de Fotografia, que em sua penúltima edição premiou-o por sua obra. German Lorca (até 19/9. Abertura nesta terça, às 19h).Heróis Olímpicos (até 29/8). Arteconhecimento (até 31/8). ArteJornalismo (até 12/9). MAC USP. R. da Reitoria, 160, CidadeUniversitária, 3091-3039. Agendamento pelo 3091-3039. 10h/19h(sáb. e dom., até 16h; fecha 2ª). Grátis

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.