O corpo na visão judaico-cristã

?Não é à consciência que o sujeito está condenando, mas ao corpo?. Esta frase de J. Lacan, que figura na epígrafe de Corpo ? Território do Sagrado, resume a intenção do autor ao escrever as 280 páginas do livro publicado pelas Edições Loyola. Evaristo Eduardo de Miranda pesquisou muito e escreveu durante dois anos para chegar à noite de autógrafos dessa quarta-feira, na livraria Cultura, do Conjunto Nacional, a partir das 18h30. É o quarto livro que Miranda publica pela mesma editora e desta vez, apresenta o corpo humano segundo a tradição judaico-cristã. Miranda, que é mestre e doutor em ecologia pela Universidade de Montpellier, na França, há cinco anos vem se dedicando a estudar os ritos que acompanham o nascimento, a morte, e agora se volta para o estudo do corpo. ?Hoje em dia é fácil você encontrar alguém que conheça os chacras hindus, os meridianos chineses, mas a visão judaico-cristã do corpo é desconhecida, perdeu-se com o tempo?, diz. Mudanças - Analisar questões como esta é uma prática já exercida por Miranda nos livros anteriores, nos quais observa, por exemplo, as mudanças ocorridas nos ritos do nascimento e da morte. Tempos atrás, o velório era motivo para a família abrir a casa e receber os amigos, chorar e até rir de piadas famosas nessas ocasiões. ?Hoje, ninguém vai ao velório?, observa. E o parto, que antes era fechado, um assunto de mulheres, agora virou uma espécie de show, filmado, fotografado, assistido por qualquer um. Parece ter sido esse também o sentido que fez com que a falta de conhecimento do homem sobre o próprio corpo tenha se tornado o novo mote de Miranda. A Internet foi um dos principais meios usados pelo autor para reunir documentos de Israel, da Europa e dos Estados Unidos sobre, por exemplo, as diferentes versões da árvore das vidas, ou seja, como se dá a comunicação entre o divino e o humano segundo a cabala, que é uma filosofia mística e esotérica de tradição judaica. Além da cabala, Miranda baseia seus estudos principalmente na mística cristã encontrada em São João de la Cruz e em Santa Tereza d?Ávila, mais as reflexões judaicas de Luriz, Moisés Cordovero e Baal Shem Tov. Mas considera ainda os conhecimentos da medicina oriental como a acupuntura e o yoga e da medicina ocidental, especialmente sobre o coração. Assim, Miranda apresenta a simbologia de partes do corpo como pés, pernas, joelhos, coxas, braços, mãos, ombros, pescoço, órgãos como o coração, os rins, o fígado e as partes do corpo ligadas aos sentidos, como os olhos, o nariz e a orelha. Os maiores capítulos são sobre os pés, cuja forma embrionária resume todo o corpo e os dentes ?que são a imagem da quintessência, por sua capacidade de moer os alimentos e extrair deles o essencial para a vida?. O autor publicou ainda Água, Sopro e Luz, sobre o rito do batismo; Agora e na Hora ? Ritos de Passagem à Eternidade e A Foice da Lua no Campo das Estrelas Corpo - Território do Sagrado, de Evaristo Eduardo de Miranda. Edições Loyola, 280 págs., R$ 24. Lançamento quarta, na Livraria Cultura (av. Paulista, 2.073, cj. Nacional, tel.: 285-4033), das 18h30 às 21h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.