Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O caos de cada um

Na cerimônia de formatura de um curso de jornalismo, o paraninfo da turma, escolhido por votação pelos formandos, discursava sobre o que esperava os futuros jornalistas

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 03h00

Aconteceu recentemente no Brasil de Bolsonaro & Filhos. Na cerimônia de formatura de um curso de jornalismo, o paraninfo da turma, escolhido por votação pelos formandos, discursava sobre o que esperava os futuros jornalistas num mercado de trabalho minguante e condicionado por repetidos ataques do governo à imprensa, além da ameaça latente de uma volta da censura explícita e de novos limites à liberdade de expressão – como houve em outros tempos, quando outros generais ocupavam o Planalto. 

O discurso começou a ser interrompido por vaias e insultos ao paraninfo vindos da plateia, e só pôde ser concluído porque alunos e professores se postaram solidariamente ao lado do púlpito do palestrante, enfrentando os protestos. Que continuaram, tanto que o paraninfo saiu do palco escoltado por seguranças da universidade, a imagem inédita e triste de um caos nutrido pela irracionalidade, num ambiente que deveria ser, no mínimo, de orgulho familial, apesar das diferenças. 

Supõe-se que a maioria da plateia era formada por pais dos alunos, e que o paraninfo representava o pensamento da maioria dos alunos. O que se viu foi um autêntico conflito de gerações a céu aberto, a ser resolvido, ou agravado, em casa. Em tempos menos conflagrados a insatisfação da plateia não chegaria a vaias e insultos. Hoje, críticas ao governo são recebidas com uma intolerância que, cada vez mais, se concentra numa imprensa livre e investigativa, quando não em filhos e filhas independentes que não pensam como os pais. Este caos parece irreversível.

Com tantos generais convivendo no Planalto, pode-se imaginar que o melhor lugar para saber os rumos da nação seja a máquina do cafezinho, onde todos se encontram. Mas é difícil saber o que pensam os generais sobre a vida, o amor, a economia e o capitão que os comanda. Às vezes nem eles sabem o que pensam. O general Augusto Heleno, por exemplo, disse que o Congresso chantageia o Executivo e logo em seguida disse que ninguém na roda do cafezinho pensa em acabar com a democracia, nem que seja só pelo prazer de prender o Maia, e que os militares só interviriam, como sempre, em caso de caos. Mas general, o caos já não está aí?

Tudo o que sabemos sobre:
Luiz Fernando Veríssimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.