'O Bem Amado' estreia hoje como microssérie na Globo

"O Bem Amado", filme dirigido por Guel Arraes, vai cumprir sua vocação: transformar-se em microssérie de TV. O longa-metragem, dividido em quatro partes, será exibido a partir de hoje, às 23h30, logo após o "Big Brother Brasil", na Globo. "O Bem Amado" na versão para a telinha terá 26 minutos a mais que os 107 originais levados às salas de cinema. "Algumas histórias serão mais exploradas, como a do casamento do Dirceu Borboleta", diz o diretor Guel Arraes.

AE, Agência Estado

18 de janeiro de 2011 | 09h03

Ele conta que "O Bem Amado" já foi dirigido com a possibilidade de virar uma série. "Eu não tinha nada assinado com a emissora, mas já vislumbrava essa possibilidade. Acho interessante trabalhar com esses dois formatos". Para Guel, o ritmo folhetinesco da história tem um apelo natural para a televisão. "Tem essa coisa do humor, do folhetim, de algumas repetições. Acho que ele se encaixa perfeitamente na TV", comenta. "Além, é claro, de potencialmente atingir muito mais gente. O público de TV é muito maior", completa. O diretor Daniel Filho vai fazer o mesmo e transformará em série o longa-metragem "Chico Xavier". A atração será exibida de 25 a 28 de janeiro.

É difícil encontrar quem não conheça a história de "O Bem Amado". Aqui, na versão de Guel Arraes para o texto do dramaturgo Dias Gomes, Marco Nanini interpreta o lendário Odorico Paraguaçu, prefeito da pequena Sucupira, cuja meta principal é a inauguração do cemitério municipal. O problema é que o prefeito usa de muita maracutaia para realizar seu sonho. Assim, Odorico finaliza a obra, mas o problema é que ninguém morre na cidade. Em sua trajetória para produzir (ou encontrar) um defunto, surge Ernesto (Bruno Garcia), o moribundo primo das irmãs Cajazeiras - interpretadas por Andrea Beltrão, Zezé Polessa e Drica Moraes -, aliadas do prefeito. Em Sucupira, porém, o primo encontra a cura para o seu mal "incurável". Com a ajuda do fiel (e ingênuo) assessor Dirceu Borboleta (Matheus Nachtergaele), Odorico, então, contrata o temido cangaceiro Zeca Diabo (José Wilker).

Como se não bastasse, Odorico ainda tem de enfrentar a oposição comandada por Wladymir (Tonico Pereira) e Neco Pedreira (Caio Blat). Para complicar ainda mais, Neco e Violeta (Maria Flor), a filha do prefeito, se apaixonam. Na versão do Guel, os acontecimentos de Sucupira acompanham a história do Brasil, principalmente o processo de redemocratização e a campanha das Diretas Já. A trama de "O Bem Amado" continua atual - e olha que o texto tem como origem uma peça que Dias Gomes escreveu em 1962 ("Os Mistérios do Amor e da Morte") e que foi exibida em formato de telenovela em 1973. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.