"O Beijo da Mulher Aranha" inicia temporada em SP

Depois de alguns adiamentos, finalmente a superprodução O Beijo da Mulher Aranha, texto do argentino Manuel Puig, faz sua estréia na cidade. A apresentação de amanhã, dia 13, será apenas para convidados. A temporada abre ao público a partir de quinta-feira, às 21h, no Teatro Jardel Filho. Produção da mexicana CIE orçada em US$ 1 milhão, o musical traz no primeiro time Cláudia Raia, Miguel Falabella e Tuca Andrada, sob a direção cênica de Wolf Maya e direção-geral de Billy Bond. Escrito originalmente em espanhol, em 1976, e traduzido para 27 idiomas, o romance do argentino foi adaptado por ele mesmo para o teatro e encenado em diversos países, incluindo a versão da Broadway com Chita Rivera, que Puig não pôde conferir, pois morreu dois anos antes, em 1990, no México. No Brasil, o espetáculo ganhou uma montagem sob a direção de Ivan de Albuquerque, com os atores Rubens Corrêa (Molina) e José de Abreu (Valentim), no início da década de 80. Passado numa prisão de um país sul-americano O Beijo da Mulher Aranha conta a história de Valentim (Tuca Andrada), um revolucionário marxista acusado de terrorismo, e Molina (Falabella), um vitrinista homossexual preso por corrupção de menores, ambos obrigados a conviver numa cela apertada. Para aliviar a dor da solidão, Molina refugia-se entre delírios e fantasias povoados por Aurora (Cláudia Raia), sua estrela de cinema preferida. Nesse romance inquietante, Molina terá de aprender a dignidade de sua condição humana, enquanto Valentim conhecerá, através do companheiro de cela, os princípios do prazer e do sonho."Sempre fui apaixonada por esse mito", afirma Cláudia, em sua volta aos musicais. "A Mulher Aranha é um fetiche, uma personagem forte, que vai de encontro à minha personalidade. O mais engraçado é que a primeira vez em que assisti ao espetáculo na Broadway, encontrei o Miguel e desejamos realizá-lo um dia" conta a atriz, que assistiu à peça quatro vezes em Nova York e duas na Argentina. "Por ser baseado num romance, ele tem uma estrutura dramática que normalmente não se vê em musicais", diz.No papel que consagrou William Hurt no cinema e rendeu-lhe o Oscar por sua interpretação no filme de Hector Babenco (1985), Falabella diz que não está preocupado com comparações. Pelo contrário, o ator enfrentou um ritmo frenético de ensaios ao lado do elenco - composto por mais dez bailarinos, quatro atores e pela cantora Vera do Canto e Mello (como a mãe de Molina) - para surpreender o público. "Acho que tenho um pouco do sonho de Molina, de seu encantamento. Na verdade, todo ator vive uma vida que não é a dele", explica.Segundo Andrada, O Beijo é um espetáculo que já estava construído e eles tiveram de adaptar-se a ele. "O livro é mais denso, contundente. A peça tem mais glamour, é mais leve e cômica", afirma. Apesar de ter participado de outros musicais o ator diz que sentiu dificuldade durante os ensaios. "Canto em torno de dez músicas, todas muito requintadas", explica ele, que também foi orientado e ensaiado pelo maestro e diretor musical Fábio Oliveira. Para receber a nova montagem com uma tonelada de maquinaria, responsável pelas mudanças computadorizadas no cenário de Renato Scripillitti, o Teatro Jardel Filho foi todo reformado. Somente para reproduzir as 700 mudanças de luz previstas na iluminação original de Howel Binkley, agora assinada por Andrez Mattiauda, o teatro ganhou mais 300 spots. Por isso, Billy Bond não planeja excursionar com o espetáculo. "Lembro da época em que meus pais viajavam do Rio a São Paulo somente para assistir a uma nova peça de Ruth Escobar", recorda Falabella. "O público de outras regiões também pode organizar excursões, incluindo um jantar ou até um fim de semana agradável", sugere.Serviço - O Beijo da Mulher Aranha. Musical. De Manuel Puig. Direção cênica de Wolf Maya. Direção musical, Fábio Oliveira. Duração 2h40 (com intervalo). Quinta, às 21 horas; sexta, às 21h30; sábado, às 19 horas e 22h30; domingo, às 19 horas. Teatro Jardel Filho. Avenida Brigadeiro Luís Antonio, 884, tel. 3107-3364. Estréia amanhã, dia 13, e somente para convidados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.